Volta a crescer o número de infectados pelo COVID-19 em Santo Ângelo

O número de casos ativos, suspeitos e pessoas em isolamento em virtude da contaminação com o Covid-19 aumenta gradativamente desde o feriadão de carnaval em Santo Ângelo. Fenômeno...

665 0

O número de casos ativos, suspeitos e pessoas em isolamento em virtude da contaminação com o Covid-19 aumenta gradativamente desde o feriadão de carnaval em Santo Ângelo. Fenômeno semelhante ocorre em todo o Estado do Rio Grande do Sul, diante da curva em ascensão assinalada pelos indicadores que alimentam o Sistema de Distanciamento Controlado do Estado do Rio Grande do Sul, verificou-se um cenário que acendeu o sinal de alerta, caso não seja contida a contaminação pelo vírus, o sistema de saúde pública do estado, principalmente no litoral e região metropolitana, pode entrar em colapso 

Covid gráfico Santo Ângelo - Fevereiro

Santo Ângelo registra mais de 100 casos de Covid-19 nas últimas 24h


O Decreto estadual Nº 55.766 | 22 de fevereiro de 2021 impõe o fechamento de estabelecimentos comerciais a partir das 20 horas, pelo menos, até o dia 1º de março. O mapa definitivo da 42ª rodada mantém 11 regiões com risco altíssimo para coronavírus, ou seja, classificados na “Bandeira Preta”. As outras 10 regiões Covid, inclusive a região das Missões, ficaram em bandeira vermelha, o que representa risco alto. A vigência da classificação já iniciou às 0h de terça, dia 23 e segue até as 23h59 do dia 1º de março.

AS RESTRIÇÕES
E A COGESTÃO
Após ouvir associações regionais, prefeitos e entidades, o Gabinete de Crise decidiu manter a cogestão regional. Assim, as regiões em bandeira preta que aderiram ao sistema compartilhado podem adotar os protocolos próprios compatíveis até o nível de restrição da bandeira vermelha, desde que previstos nos seus planos. O mesmo vale para as regiões em vermelho, que podem adotar regras até o nível de laranja, desde que tenham plano de cogestão.

CRITÉRIOS DE BANDEIRA VERMELHA

Com a manutenção da cogestão no Plano do Distanciamento Controlado do Governo do Estado, o prefeito Jacques Barbosa informou que, mesmo com a possibilidade de o município ter o direito de adotar a bandeira laranja, Santo Ângelo vai operar com os critérios de bandeira vermelha. “Vamos manter a bandeira vermelha nas atividades durante todo o dia, mas todos terão que parar a partir das 20h eis que o nosso decreto tem os mesmos protocolos do Governo do Estado”, disse.

CIRURGIAS ELETIVAS NÃO EMERGENCIAIS SUSPENSAS

Segundo o secretário Flávio Christensen, o município vai seguir a orientação da Saúde do Estado com a suspensão das cirurgias eletivas não emergenciais, eis que a recomendação da Secretaria Estadual de Saúde é justificada pelo aumento das internações por Coronavírus no Rio Grande do Sul. “A princípio, manteremos somente as cirurgias de urgência, emergência, oncológicas, neurológicas e cardiológicas. As demais estarão suspensas com o intuito de preservar leitos. Enfrentamos o pior momento desta pandemia”, explica.

MAIS RECURSOS HUMANOS NA SAÚDE

O secretário de Saúde anunciou que o Centro de Enfrentamento à Covid-19 na Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h), no bairro Pippi, vai contar com sete leitos clínicos e com a presença de mais um médico no atendimento à população. “Com a demanda no atendimento no Centro Covid-19 na UPA, estaremos com mais um profissional para auxiliar e o objetivo é de aumento nos próximos meses. Também estaremos instalando novos leitos clínicos na UPA, nos preparando para um possível agravo da situação do Covid-19 no município”, disse.

RIGIDEZ NA FISCALIZAÇÃO

O prefeito Jacques ressaltou que o momento é preocupante, não apenas no município, e sim em todo o País, onde a pandemia do Coronavírus está em fase crescente de casos em todas as regiões brasileiras. “O momento é crítico e as pessoas precisam se conscientizar cada vez mais que, não apenas Santo Ângelo, e sim a região e todo o Estado estão na mesma situação. Por isso, estamos seguindo o decreto do Estado que, inclusive, intensificará a fiscalização com o auxílio da Brigada Militar no acompanhamento das equipes da Vigilância Sanitária, da Saúde e do Meio Ambiente nas fiscalizações. Tomaremos medidas mais rígidas, mas nada disso será válido se não houver o compromisso de todos, pois o momento é de ficar em casa, evitar aglomerações em residências e continuar os cuidados com a pandemia, desde o uso correto da máscara, a higienização das mãos e o distanciamento controlado”, disse.

O que fecha após às 20h
Diante do agravamento da situação pandêmica em que se encontra o Estado, o governador publicou o Decreto 55.766, em que destacam-se as orientações para o cancelamento de atividades entre 20h e 5h e a austeridade na fiscalização das medidas de afastamento social já vigentes.
Após as 20h não será permitido o funcionamento de bares, restaurantes, pubs, centros comerciais, cinemas, teatros, auditórios, casas de shows, circos, casas de espetáculos e similares, dentre outros, que realizem atendimento ao público, com ou sem grande afluxo de pessoas na realização de reuniões e eventos.
Podem funcionar farmácias, hospitais e clínicas médicas, serviços funerários, agropecuários, veterinários, assistência social e atendimento à população em estado de vulnerabilidade, atendimento exclusivamente na modalidade de tele-entrega, postos de combustíveis, estabelecimentos dedicados à alimentação e à hospedagem de transportadores de cargas e de passageiros, especialmente os situados em estradas e rodovias, inclusive em zonas urbanas, hotéis e similares.

CASOS EM SANTO
ÂNGELO EM 2020
Abril: 1 caso
Maio: 63 casos
(média de 2,03 casos/dia)
Junho: 123 casos
(média de 4,10 casos/dia)
Julho: 153 casos
(média de 4,93 casos/dia)
Agosto: 320 casos
(média de 10,32 casos/dia)
Setembro: 362 casos
(média de 12,06 casos/dia)
Outubro: 572 casos
(média de 18,45 casos/dia)
Novembro: 1054 casos
(média de 35,13 casos/dia)
Dezembro: 950 casos
(média de 30,64 casos/dia)

CASOS EM SANTO
ÂNGELO EM 2021
Janeiro: 749 casos
(média de 24,16 casos/dia)
Fevereiro (parcial): 458 casos
(média de 20,8 casos/dia)

Neste artigo

Participe da conversa