Falta de umidade castiga as lavouras Missioneiras

Produtores rurais estão muito preocupados com a falta de chuva que impacta no desenvolvimento vegetativo das lavouras de milho, nas pastagens e até no peso e tamanho do...

904 0
Lavoura de milho na zona rural de Santo Ângelo - Foto: Álvaro Uggeri
Lavoura de milho na zona rural de Santo Ângelo – Foto: Álvaro Uggeri

Cerca de 80% da área prevista de milho já está implantada no município de Santo Ângelo e encontra-se na fase de desenvolvimento vegetativo. “As plantas não crescem, não desenvolvem nesse ambiente seco. Essa situação certamente acarretará em prejuízos para a produção do milho!” informou Alvaro Uggeri, responsável pelo escritório local da Emater, ao voltar da zona rural na segunda-feira, dia 19.

O agrônomo relata também que percebeu as lavouras de milho estagnadas, com folhas retorcidas pelo forte calor e falta de chuva das últimas semanas. Mas as consequências vão além do prejuízo com o milho. Nos locais onde o pasto foi plantado, não há desenvolvimento vegetativo, em muitos lugares não foi possível realizar o plantio que vai garantir o alimento das vacas de leite ou gado de corte.

Com a falta de pastagem os produtores aumentam o fornecimento de silagem de milho e ração para as vacas de leite, resultando no aumento dos custos de produção. Mesmo com o uso de silagem e ração, segundo o relato dos produtores, a produção de leite começou a baixar.

No caso do trigo, naquelas lavouras que estavam na fase de formação do grão, a falta de chuva está interferindo na produção, além de que, os produtores de trigo já amargavam perdas ocasionadas pela geada de agosto. Como consequência destes fenômenos climáticos anômalos, produtores já estão realizando o laudo para o encaminhamento de Proagro nas lavouras de trigo. Só na Emater de Santo Ângelo foram 112 comunicações de Proagro.

Álvaro Uggeri visitou produtores rurais na segunda-feira e constatou uma situação incomum nesta época do ano, produtores se queixando de falta de chuva para o trigo. Uggeri relata que a geada causou mais perdas que a estiagem, relatando também que “perdas no trigo por seca são muito difíceis de ocorrerem e os agricultores locais estão comentando que nunca tinha tinham passado por tal situação!”
Previsão do tempo

De acordo com o agrometeorologista João Castro, em informação publicada no site especializado Agroclima, entre os dias 22 e 24, uma frente fria avança e organiza grandes áreas de instabilidade que provocam chuva mais generalizada nos três estados da Região Sul, mas a previsão para Santo Ângelo, não é animadora, apenas chuva de 3 mm na próxima quinta-feira e no final de semana está previsto outro sistema entrando no Rio Grande do Sul, este movimento climático traz nuvens e chuva, mas o volume para o município não será expressivo.

Neste artigo

Participe da conversa