Pomelos: Rústicos, cascudos e até protegidos por redes

A maior fruta cítrica que existe é o pomelo. Em Santo Ângelo o cultivo não é tão comum quanto as bergamotas e laranjas, mas é possível avistar árvores...

693 0

Na Rua Antunes Ribas, neste mês de março, um pé de pomelo exibe seus generosos frutos e o cuidado que o morador teve de amparar a produção desperta a curiosidade de quem passa pela rua.

Ao contrário do que se pensa, as redes estendidas e que formam uma barreira no passeio público não é para proteger quem passa embaixo do pé de pomelo, e, sim, para proteger os frutos de quem passa.

Pomelo no passeio público localizado na Rua Antunes Ribas em Santo Ângelo - Foto - Marcos Demeneghi
Pomelo no passeio público localizado na Rua Antunes Ribas em Santo Ângelo – Foto – Marcos Demeneghi

Os frutos da árvore eventualmente são arrancados por curiosidade ou brincadeira, pois os pomelos são grandes e leves. Contam os vizinhos que meninos pegam os frutos para brincadeira, desperdiçando o valor nutritivo ao colher antes da hora.

Os pomelos possuem de 15 a 20 centímetros de diâmetro, no entanto, são menos pesados do que parecem, pois possuem uma casca única, caracterizada por sua espessura extra, que aliás, oferece resistência ao impacto e protege a polpa do fruto.


 

Inspiração para engenheiros

Estas mesmas características que atraem os curiosos, chamou a atenção de mecânicos da Universidade Texas A&M, eles iniciaram um estudo com base nas cascasdos pomelos, pois as propriedades deste material da natureza consegue proteger o fruto em quedas de até 10 metros de altura.

O “thecounter” é uma organização especializada em difusão de informações de alimentos e publicou um artigo em que explica o interesse dos americanos em estudar os pomelos, os pesquisadores estão usando a casca de pomelo para repensar uma das invenções mais onipresentes da humanidade: a espuma. Detalhes da pesquisa está disponível na internet – https://thecounter.org/pomelo-citrus-fruit-mechanical-engineering-shock-absorbent-foam/.

Saiba mais

Esta fruta é cientificamente conhecida por “citrus maxima” e o Departamento de Agricultura considerada este citro uma variação da toranja, no entanto, o tamanho do fruto, cor, espessura da casca e o sabor de um pomelo é diferente da casca de qualquer outra fruta da família cítrica, inclusive das suas irmãs toranjas.

Segundo um artigo da Embrapa, os Estados Unidos é o maior produtor mundial de Pomelo e lá a fruta recebe o nome de grapefruit, mas a variedade americana, que é cultivada comercialmente, é diferente dos cascudos, rústicos e inspiradores pomelos da rua Antunes Ribas e cultivados por aqui.

É uma fruta que chama a atenção pelo tamanho, mede de 15 a 20 centímetros de diâmetro, ela tem casca espessa e polpa tons mais rosados ou avermelhados.

O uso do pomelo na culinária tem aplicação como qualquer outro citros. Segundo pesquisa da Embrapa, a genética desta fruta surgiu de uma hibridização natural entre uma toranjeira (Citrus maxima Merril) e uma laranjeira doce [Citrus sinensis (L.) Osbeck] (FEDERICI et al., 1998; MACHADO et al., 2005).

Em 1814, os frutos receberam a denominação de grapefruit, em inglês, e de pomelo, em português e espanhol. Em 1823, foram introduzidos na Flórida, Estados Unidos, por Odette Phillipe, ocorrendo a expansão comercial somente em 1880, quando passaram a ser transportados de navio para Nova York e Filadélfia.

Sabor do nosso pomelo

O sabor da polpa lembra uma laranja, no entanto, é menos intenso e possui um leve amargor que é produzido pelas membranas que revestem os gomos, no entanto, a experiência de consumi-la in natura se torna bem agradável quando retiradas as películas que os envolvem, trabalho que não é tão complicado, considerando o tamanho da fruta.

 

Neste artigo

Participe da conversa