O que fazer com a malha ferroviária das Missões

Diretoria da Rumo Logística participou na tarde de ontem, no auditório da ACISA, de uma audiência pública onde foram convidados presidentes de empresas locais, autoridades políticas e pessoas...

464 0
Foto:Marcos Demeneghi
Foto:Marcos Demeneghi

A ociosidade e abandono que se encontra a malha ferroviária no sul do Brasil, sobretudo em ramais das regiões, Missões e Noroeste, foi determinante para a realização de uma audiência pública, proposta pelo Procurador da República, Osmar Veronese. O evento foi realizado na última sexta-feira, dia 28, no auditório da ACISA.
A partir deste diálogo pretende-se definir estudos de viabilidade técnica e propor ações de efetivo aproveitamento da malha sul, que se encontra praticamente ociosa. No entendimento do procurador, é necessário evitar um contrato que leve a intermináveis disputas judiciais com a empresa concessionária e ao mesmo tempo, permita o aproveitamento da ferrovia existente nesta região do País.
Além de prefeitos, produtores e empresários locais a audiência pública contou com integrantes da diretoria da RUMO Logística, como o Vice Presidente, Daniel Rockenbach; Diretor de Relações Institucionais, Guilherme Penin; Gerente Executivo de Projetos Estratégicos, Cristiano Donato; Diretor Comercial Luis Neves; Gerente Executivo Comercial, Eudis Furtado; Diretora de Relações Governamentais, Giana Custódio e o Gerente Comercial do RS, Germano Corazza.
A viabilidade de investimento na malha ferroviária do sul foi amplamente discutida, pois a empresa está trabalhando para o fechamento de contratos de linhas estratégicas no centro do País, sendo que, o destino da malha local está influenciando na negociação. O vice presidente da RUMO, Daniel Rockenbach, afirmou que a diretoria tem uma visão de investimento a longo prazo e precisa de garantias de continuidade no contrato para sinalizar em investimentos mais pesados no Sul do Brasil.
Além disso, explicou sobre a escala de operação nos terminais de carga e transbordo. Trouxe dados para explicar o contexto de operação, afirmando que em São Paulo e Mato Grosso, por exemplo, a Rumo opera com formações que ultrapassam 80 vagões.
No Paraná um pouco abaixo deste patamar e no Sul do Brasil a situação é mais difícil, tendo em vista, a capilaridade da malha ferroviária e falta histórica de investimento na malha sul que ultrapassa 17 anos. A empresa considera uma rede com muita capilaridade e com capacidade operacional muito baixa para fluxo de carga em que opera.
Por outro lado não, descartou o interesse em continuar operando no Rio Grande do Sul, principalmente na malha que liga Cruz Alta e Rio Grande. No entanto, nos ramais que ligam Santa Rosa, Santo Ângelo e Ijuí, o Diretor acredita que seja necessário criar alternativas a médio e longo prazo, como a flexibilização de uso destes ramais ferroviários, tanto por investimento de empreendedores locais, ou até mesmo, incentivos fiscais. Pois deste modo ele entende que seja mais fácil operar em escala menor.

Trem Turístico
Uma das reuniões que ocorreu no Ministério Público de Santo Ângelo, tratou da implantação de uma linha regular de trem com objetivos turísticos e também de um projeto piloto que permitirá, entre os dias 20 a 30 de setembro, a realização de passeios de caráter histórico e cultural entre os municípios de Santo Ângelo e Ijuí, com parada no município de Catuípe. Pretende-se disponibilizar ingressos para que a população participe deste evento.
O projeto “Trem das Missões: um reponte pelas etnias”, foi discutido entre o prefeito em Exercício Bruno Hesse e a secretária de Cultura, Neusa Cavalheiro, com representantes da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF), de acordo com o vice-presidente da ABPF, Marlon Ilg, o trem “atualmente conta com vagões que comportam 469 passageiros, mas eles passarão por reformas e irão conter em torno de 515 lugares, para acomodar o número de pessoas que estimamos participar do passeio”, explicou.
Os bilhetes para realizar o passeio custarão aproximadamente R$ 70, e poderão ser adquiridos via internet e nos pontos de venda que serão divulgados em breve. A locomotiva terá quatro opções de roteiro, a primeira de Santo Ângelo a Catuípe, a segunda de Catuípe a Ijuí, a terceira de Ijuí a Catuípe e de Catuípe a Santo Ângelo, à volta para o município de saída será realizada por meio de ônibus já incluso no valor do bilhete.
Segundo o prefeito em Exercício Bruno, nas três estações de desembarque do trem para a troca de passageiros, haverá praça de alimentação e apresentações culturais, ele também destacou a importância desta iniciativa. “Com certeza será um momento épico para a nossa região, esperamos que a população aproveite esta iniciativa que busca incentivar o turismo regional, por meio de um belo passeio de trem que contará a história de cada município”.
Estiveram presentes também o procurador Federal, Osmar Veronese, o vice-prefeito de Catuípe, Gladimir Militz Wey, o secretário de Cultura, Esporte e Turismo de Ijuí, Sérgio Augusto Corrêa, o diretor de Projetos Específicos da ABPF, Cláudio Hoppe, o presidente da Associação das Entidades Tradicionalistas de Santo Ângelo – Assetrasa –, Paulo Faganello e a guia de Turismo, Tatiana da Costa.

Neste artigo

Participe da conversa