Produção regional e sabor caseiro

Será realizado no dia 16 de outubro, dia mundial da alimentação, o 1º Café Colonial da Agricultura Familiar em Santo Ângelo

202 0
Café Colonial - Reunião com produtores-foto fernando gomes (Copy)
14 produtores estarão contribuindo com produtos para o Café Colonial

Agroindústrias e produtores de hortigranjeiros servirão o 1º Café Colonial da Agricultura Familiar. O evento será realizado na Acisa – Associação Comercial e Industrial de Santo Ângelo no próximo, dia 16, ás 8h, quando será possível conhecer o sabor caseiro que faz parte da cultura regionalista das Missões, bem como o potencial produtivo das famílias que se dedicam diariamente a produção de alimentos na cidade de Santo Ângelo. O evento gastronômico colocará na mesa o sabor de alimentos In Natura e processados em pequenas indústrias regionais.
O café colonial está sendo organizado pela Aprocohsa – Associação dos Produtores de Hortigranjeiros e Produtos Coloniais de Santo Ângelo. Nesta primeira edição o valor do cartão para participar do café colonial está sendo comercializado ao valor simbólico de R$ 10. São 14 produtores que darão uma amostra do contexto produtivo de alimentos no interior do município. “São pessoas comprometidas com a qualidade e o sabor dos produtos”, destacou Ana Paula de Moura, presidente a associação que também falou do valor agregado ao produto colonial, destacando a origem e procedência destes alimentos que, em virtude da proximidade do local de produção, chegam com mais sabor e qualidade na mesa das famílias.
O Café Colonial da Aprocohsa será realizado no “Dia Mundial da Alimentação” (16 de outubro). A iniciativa dos produtores locais cumpre a finalidade de propor uma reflexão sobre o nosso modo de vida e como estamos alimentando nossos filhos. Além de promover a integração com outros setores da economia local, o café colonial tem a finalidade de divulgar a feira realizada todas as semanas na AV. Venâncio Aires, explicou Ana Paula.
A iniciativa tem o apoio da CDL – Câmara de Dirigentes Lojistas, Acisa – Associação Comercial, Cultural, Industrial, Serviços e Agropecuária de Santo Ângelo, Sindilojas Missões, EMATER, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Condasa – Conselho Agropecuário de Santo Ângelo e Câmara de Vereadores.

Dia mundial da alimentação

Agricultura familiar (Copy)

O Dia Mundial da Alimentação traz temas que nos fazem pensar a respeito da população carente, sua segurança alimentar e nutrição. Entende-se por segurança alimentar uma alimentação saudável, acessível, de qualidade, em quantidade suficiente e de modo permanente. Essa realidade, infelizmente, não é vivida por uma grande parte da população brasileira e mundial.
Estima-se que 800 milhões de pessoas vivem em uma situação denominada insegurança alimentar. Isso quer dizer que mais de 800 milhões de pessoas não possuem uma alimentação saudável, de qualidade ou em quantidade suficiente para suprir suas necessidades.
Dia Mundial da Alimentação corresponde também à fundação da FAO (Food and Agriculture Organization), Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. O tema que rege as atividades mundiais em torno do dia em 2017 é “Mudar o futuro da migração. Investir em segurança alimentar e desenvolvimento rural”.
No Brasil, uma alimentação de qualidade é um direito de todos, sendo assegurada por lei. Segundo a lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006, art. 2º, a alimentação adequada é direito fundamental do ser humano, inerente à dignidade da pessoa humana e indispensável à realização dos direitos consagrados na Constituição Federal, devendo o poder público adotar as políticas e ações que se façam necessárias para promover e garantir a segurança alimentar e nutricional da população.”

 

Neste artigo

Participe da conversa