Manifestação de alunos paralisa aulas no Augusto

Professores da Escola Augusto Nascimento e Silva foram surpreendidos na manhã de sexta-feira, dia 20. Alunos decidiram paralisar as atividades da escola como forma de reivindicar condições adequadas...

3589 0

Alunos do Colégio Estadual Augusto Nascimento e Silva iniciaram um movimento de boicote as aulas. Na manhã de sexta-feira, dia 20, os alunos acorrentaram os portões e não permitiram que as aulas continuassem, os jovens demonstraram indignação com o descaso do Governo com a educação pública, constatado pela falta de quadra adequada para a prática de educação física, desmotivação dos professores provocada pelo parcelamento dos salários, constantes apagões ocasionados pela precariedade da rede elétrica da escola, insuficiência dos recursos para garantir a qualidade da merenda, entre outros problemas que se agravam sem perspectiva de solução.

Os alunos decidiram apoiar a causa dos professores e não fechar os olhos para os problemas que a educação pública está enfrentando no Estado. O movimento foi liderado pelos alunos do grêmio estudantil, representados pelo aluno Kassio Lemos, 16 anos.

Eles prometem paralisar as atividades da escola até que seja dada uma resposta definitiva e convincente para solucionar problemas como: o atraso nas obras de construção da quadra coberta da escola, conforme relataram, esperam a conclusão desde setembro de 2015. A sala de informática foi interditada, pois a rede elétrica não oferece condições e os constantes apagões causam transtorno e medo de incêndio em toda a comunidade escolar.

A direção da escola

A direção da escola se manifestou dizendo que está emprenhada para garantir o direito de todos os envolvidos neste processo inédito ocorrido na escola. “Fomos surpreendidos”, disse a diretora, que acionou o Conselho Tutelar, Promotoria Pública, CPM – Circulo de Pais e Mestres e Coordenadoria Regional de Educação, para juntos, acharem uma saída pacífica para todos, resguardando o direito de manifestação e também dos professores que desejarem ministrar aula aos alunos interessados.

Funcionários também relataram que a instalação elétrica é um assunto sério, eles sentem cheiro de queimado nos corredores e lembraram que este problema não é ocasionado pela instalação climatizadores, nem mesmo ventiladores podem ser ligados na escola.

Neste artigo

Participe da conversa