Único Patrimônio Mundial em território gaúcho

Foi em 1972, entre os dias 17 de outubro e 21 de novembro, que ocorreu a Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural e no...

179 0

O sítio arqueológico de São Miguel das Missões é considerado um testemunho único da diversidade da criação humana, pois pertence a uma seleta lista de locais que são referência para todas as nações do globo, ou seja, é um patrimônio de todos e sua preservação também é de interesse mundial.

Foto - Divulgação da Prefeitura de São Miguel das Missões
Foto – Divulgação da
Prefeitura de São Miguel das Missões

Foi em 1972, entre os dias 17 de outubro e 21 de novembro, que ocorreu a Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural. Segundo texto publicado pelo Espaço dos Museus Ibero-Americanos, foi no dia 16 de novembro, daquele ano, que foi assinado o documento que declara a intenção de garantir a identificação; a proteção; a conservação; a valorização; e a transmissão às gerações futuras do Patrimônio Mundial Cultural e Natural das nações.

No território brasileiro existem 22 sítios, ou conjuntos, considerados Patrimônio Mundial. Estes lugares são reconhecidos como bens naturais, culturais ou mistos e ganham este reconhecimento pela importância que representam na contextualização histórica dos povos e nações. O reconhecimento é feito pela UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

O sítio arqueológico localizado de São Miguel das Missões é o único com este reconhecimento no território do Rio Grande do Sul e com os fatos que cercam estas ruínas, é possível reconstituir toda a história do povo chamado Gaúcho que compõe, não só nosso estado, mas países vizinhos como Argentina, Uruguai e Paraguai.

Neste contexto, é necessário distinguir os vários títulos que o sítio arqueológico de São Miguel das Missões recebe:

1938 – O sítio arqueológico de São Miguel das Missões foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN)

1983 – Foi declarado Patrimônio Mundial pelo UNESCO, juntamente com as ruínas de San Ignacio Miní, Nossa Senhora de Santa Ana, Nossa Senhora de Loreto (Argentina) e Santa María Maior, localizadas em território argentino,

2015 – Recebeu do IPHAN o estatuto de Patrimônio Cultural Brasileiro pelas suas associações com a história e a espiritualidade guarani.

Neste artigo

Participe da conversa