Sábado 23/07/2011

Gente AntigaArquymedes Fortini escreveu por muitos anos a coluna de reminiscências do Correio do Povo, do tempo áureo da Caldas Júnior. Correspondente do jornal em Santo Ângelo, certa...

1110 0

Gente Antiga
Arquymedes Fortini escreveu por muitos anos a coluna de reminiscências do Correio do Povo, do tempo áureo da Caldas Júnior. Correspondente do jornal em Santo Ângelo, certa vez conversei com o Fortini, homem de baixa estatura, cabelos brancos, muito atencioso com este cronista que, então, era misto de repórter de jornal e de rádio e estudante de Direito. A coluna do Fortini era muito lida. Outro que gosta muito de reminiscências é o Paulo Cardona, um dos integrantes da primeira turma da Faculdade de Direito de Santo Ângelo, mas que trocou a terrinha por Santa Maria. Ele pede para recordar os antigos taxistas da cidade.
Já comentei alguns deles, como o Hércules Rolim Cezimbra, que mantém ponto, há quinze anos,  na esquina da Andradas com 15 de Novembro. E o amigo Egydio Pedro Flach, que começou a trabalhar ao lado do Hugo Anklan,  na frente da Estação Rodoviária. A Rodoviária, do Henrique Schultz,  então se localizava na Avenida Venâncio Ayres, ao lado do Restaurante Monte Carlo, do Arthur Tesche, pai do Ernani Tesche, que trabalhou comigo na Rádio Santo Ângelo. Mas o Egydio é mais lembrado como apaixonado pela aviação e pelo trabalho devotado ao Aero Clube. Não dá pra falar em aviação na Capital das Missões sem falar no amigo Flach.
O Cardona lembra do Feijó, que residia na Rua 15 de Novembro com 7 de Setembro, prédio de dois pisos, ainda existente. O filho dele, Mozart, jogou no Grêmio Santo-angelense. O radialista José Alcebíades de Oliveira, logo que casou,  morou no andar superior do imóvel do “velho Feijó”, como era chamado pelos colegas taxistas. Osvaldo Santos residia na Avenida Brasil, ao lado do Hospital Santa Isabel. O táxi dele era muito requisitado, porque sempre impecavelmente limpo, além das atenções que o Osvaldo dispensava aos fregueses. Angelim Verri também morava na Avenida Brasil, mas em prédio situado quase ao lado da atual sede da Justiça Federal. Angelim era irmão do Ricardo, dono da primeira churrascaria da cidade (Continental) e do Severino, que chegou à presidência da Câmara de Vereadores.
Mas há muitos antigos motoristas de táxi da cidade que merecem recordação, como os irmãos Kruger, talvez os iniciadores do ponto da Avenida Brasil com Marquês do Herval, ainda existente. E o Ângelo Pienis, que carregou passageiros por várias décadas pelas ruas santo-angelenses.
O irmão dele, Santo, trabalhou com o Restaurante Pienis, por longos anos, na Marechal Floriano, quase esquina da Tiradentes,  onde se comia excelente bife na chapa, feito na hora, pela dona Ana.
Todos eles, enfim, cumpriram sua parte profissional com esmero e, por isso, deixaram saudades neste solo histórico. A relação não está completa, é claro, mas aceito colaborações nesse sentido.
A FRASE SEMANAL DO CHICO XAVIER – “Você nem sempre terá o que deseja, mas enquanto estiver ajudando os semelhantes, encontrará os recursos de que precise”.

Neste artigo

Participe da conversa