Tá estressada? Durma de conchinha!

175 0

Depois de um dia puxado, nada melhor que uma boa noite de sono, certo? Mas os pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos EUA, descobriram que há algo ainda mais eficaz para aliviar as tensões cotidianas: dormir de conchinha com o parceiro.

A posição mais consagrada pelos casais apaixonados mundo afora oferece variados benefícios à saúde. Para começar, dormir de conchinha diminui os níveis de cortisol, o hormônio do estresse. Isso acontece porque a gente fica se sentindo mais protegida e segura, relaxando de vez. Essa sensação é mais difícil de ocorrer quando dormimos sós.

Além disso, dormir bem acompanhada dá uma força para combater inflamações e ajuda na digestão.

Por que dormir bem?

Você sabia que uma bela noite de sono pode deixá-la mais magra? É que, ao dormir, o corpo libera a leptina, um hormônio natural que tem a função de inibir o apetite. “Ele age para que não sintamos fome por muitas horas, diminuindo o risco de haver interrupções no descanso”, explica o neurologista Shigueo Yonekura, do Instituto de Medicina e Sono, em Campinas/SP, em entrevista à revista Nova, no ano passado.

Atenção!

A produção dessa substância cai se você for tarde para a cama ou dormir pouco. Isso detona o gatilho da fome na mesma noite e também durante o dia. Resultado: você vai comer mais e mais e mais.

Além disso, na falta de leptina, há maior produção de grelina, um hormônio produzido pelas células de gordura que aumenta a vontade de comer de tudo, de brigadeiro a batata chips. Que cilada, hein!

E os estragos não param por aí. A privação do sono também mexe com o cortisol, o hormônio do estresse, que, além de aumentar a fome, faz o organismo acumular gordura, principalmente na região abdominal. Além disso, o cortisol acelera os batimentos cardíacos, aumenta a pressão arterial e o nível de açúcar no sangue, o que leva a predisposição para doenças como diabete.

Se você sofre de insônia ou dorme muito pouco, então está na hora de mudar seus hábitos. Além de ajudar no seu emagrecimento, você se sentirá mais descansada e com mais pique para praticar atividades físicas.

O nosso relógio

O relógio biológico é a melhor ferramenta para se descobrir quanto tempo precisamos dormir diariamente e em que horário o sono será de melhor qualidade.

E para colocá-lo em ação, é preciso experimentar. A sugestão é anotar durante cinco dias a hora que dormiu e acordou.

Em seguida, faça uma média da duração do sono ao longo desses dias e descura se você é um pequeno (até 6 horas), médio (cerca de 8 horas) ou grande fã do sono (10 horas).

 

 

Fonte: M de Mulher/Revista Nova

Foto: Divulgação do filme

“Sexo Sem Compromisso”.

Neste artigo

Participe da conversa