A história e o patrimônio jesuítico/Guarani em evidência no legislativo estadual

O Projeto de Lei que cria o “Pro Missões” está apto para ser votado na Assembleia Legislativa e coloca o tema Missões Jesuítico Guarani em evidencia no Estado.

189 0
Porto Alegre, RS 13/04/2010 Assembléia Legislativa. Foto: Guilherme Santos/PMPA
Porto Alegre, RS – Assembléia Legislativa – Foto: Guilherme Santos/PMPA

A PL 517/2019 – que cria o Programa Estadual de Apoio e Fomento às Atividades de Valorização e Resgate Histórico das Missões Jesuítico Guarani – ‘PRÓ-MISSÕES’ passou pela CCJ- Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul no dia 27 de setembro.

Segundo o entusiasta desta lei, Álvaro Theisen, que lidera o Grande Projeto Missões, esse foi um importante passo para aprovação deste projeto que deve seguir para discussão no plenário. Theisen acredita que o “Pro Missões” facilitará projetos específicos para esta temática a partir da compensação de ICMS.

A ideia é valorizar o patrimônio, a história e a cultura com vistas ao desenvolvimento do turismo nos municípios que possuem alguma ligação com a história jesuítico/guarani, que nos argumentos encaminhados aos parlamentares, compreende cerca de 90% do território gaúcho.

A CCJ – Comissão de Constituição e Justiça analisa a constitucionalidade do projeto, o mérito, ou seja, se o projeto é interessante ou não. Como as demais Comissões, ela também analisa a admissibilidade (se um projeto pode ou não ser admitido para discussão).

“Caso a lei continue avançando e seja sancionada, temos a possibilidade de um volume de apoio na ordem de R$ 200 a 300 milhões em um período de 10 anos. Nunca houve investimentos neste montante na história, será sem dúvidas a mudança do turismo missioneiro” declarou Álvaro ao receber a notícia de aprovação na CCJ, no dia 27 de setembro.

Theisen também encaminhou aos parlamentares um dossiê no qual revela que a comunidade gaúcha identificou cerca de 80 projetos passíveis de valorização da história e do patrimônio missioneiro e do turismo. Tanto a sociedade civil, iniciativa privada, quanto atores da área política revelam a escassez de recursos financeiros direcionados para o turismo das Missões, ainda que, é nesta região que está localizado o único patrimônio da humanidade declarado pela UNESCO no Rio Grande do Sul.

Algumas metas definidas em torno do tema

1- Revitalização dos sítios arqueológicos existentes no Rio Grande do Sul relacionados com a temática missioneira
Nota: Ênfase aos sítios arqueológicos que compõe o Parque Histórico Nacional das Missões pois há muitas estruturas nestes locais que necessitam atenção
2 – Ampliação das atrações turísticas referentes ao tema missões no sentido de atrair e reter mais turistas no Estado
3 – Estruturar os museus relacionados com o tema e transformar em uma atração turística (atualmente há mais de 40 museus e locais com acervo missioneiro no Rio Grande do Sul)
4 – Potencializar e qualificar o ensino do tema das missões jesuítico-guarani e contribuir para a disseminação do conhecimento entre a população do Rio Grande do Sul e do Brasil
5 – Identificar, definir ações e preservar todos os locais no território do Rio Grande do Sul onde houve atividade relacionada às Missões Jesuítico-Guarani (capilaridade das atrações)
6 – Aumentar a quantidade de turistas anuais na região missioneira dos atuais 80 mil para 1 milhão em um período de dez anos viabilizando economicamente a cadeia de turismo deste segmento
7 – Proteger/preservar a cultura guarani
8 – Implantar o Plano Missões 20-30 que visa planejar e estruturar as ações de desenvolvimento da temática missioneira para os próximos dez anos.
9 – Criar um ambiente de inovação e de empreendedorismo na região para o desenvolvimento de projetos de turismo na temática missioneira de forma sustentável e perene.


Reunião organizada pelo DETUR discute planejamento do turismo missioneiro para 2022

Foto - Fernando Gomes - Jacques Barbosa fala na reunião do DETUR
Foto – Fernando Gomes – Jacques Barbosa fala na reunião do DETUR

Departamento de Turismo das Missões (DETUR) da Funmissões reuniu-se na última semana para definir estratégias para o setor no ano de 2022. O Prefeito de Santo Ângelo defendeu a necessidade de qualificar os acessos asfálticos dos municípios e a efetiva ampliação do Aeroporto Regional Sepé Tiaraju. A reunião foi presidida pelo diretor do DETUR, José Roberto, prefeito de São Miguel das Missões, nesta reunião foram debatidas as ações dos 26 municípios missioneiros para a retomada do setor no período pós-pandemia.

Além do planejamento estratégico para o turismo, esteve na pauta da reunião a apresentação de relatórios sobre os projetos para o setor que está sendo desenvolvido pelo SEBRAE; relato do jornalista e turismólogo, Carlos Augusto Silveira Alves, que está prestando consultoria aos 26 municípios da AMM; a participação da região no Festuris; a adesão ao Selo Turismo Seguro nas Missões pelo Cadastur; o plano de marketing da Embratur; os planos de trabalho dos conselhos municipais de turismo; o Caminho das Etnias; Caminho das Missões; o Programa Missões em Sala de Aula e o projeto Turismo 4.0.

Neste artigo

Participe da conversa