Sábado 14/07/12

“É infinito o potencial de evolução dos poderes da mente humana perante a eternidade, principalmente quando aprende a conectar-se com a mente universal.” Lindmann, R., Engº e Astrólogo...

881 0

“É infinito o potencial de evolução dos poderes da mente humana perante a eternidade, principalmente quando aprende a conectar-se com a mente universal.” Lindmann, R., Engº e Astrólogo

O homem, no alvoroço das emoções – e não sem razão -, diz que chegou lá, na partícula mãe ou matriz de tudo o mais que existe a constituir a natureza dos corpos. E, sem tal elemento, o mais não se susteria. Inegavelmente o avanço da ciência, neste caso a física, é incansável e, provavelmente, inesgotável, pois chegará o tempo em que conseguiremos – não só dominar os elementos, mas controlar a ação das leis gravitacionais.

Parece um sonho sim. Mais que isso – uma alucinação. Acontece que, até aqui, a ciência vem apenas perscrutando o audível e perceptível pela física, mas, inegavelmente, bisbilhotando, de soslaio, o que receia ver de frente. E, esse ver de frente em que pensa, não são partículas, mas sim, a razão da partícula, e que – desconfiadamente – denominou de “A Partícula de Deus”.

A ciência, ao que se vê, pensa e teima em chegar lá, na divindade, abrindo portas de aço ou, quem sabe, de cristal. E bem sabemos as razões que acicatam e fustigam o homem ao mais e mais. Talvez, num repente, como premiação dos seus esforços, escorregue e vá parar nos “ braços de Deus”.

Diz Mabel Collins, em sua “Luz no Caminho”, que:- “A alma do homem é imortal, e seu futuro é o de algo cujo crescimento e esplendor não tem limites.” Diante disso, ao pararmos para pensar, poderemos chegar à porcaria que somos. É isso mesmo! Estamos muito distanciados do grande desiderato a que propôs Deus aos seus “filhos”. Desvirtuamos tudo e ainda ousamos querer chegar a Deus navegando pelas estrelas, ou melhor, pela física.

Na verdade, muito devemos à ciência e, graças a ela, pela abnegação e estudo de muitos, chegamos ao que somos e temos hoje. Até se poderia dizer que dispensamos o paraíso. Para que melhor que isto!? Pois, cada um, como pode, “amontoa para si tesouros e provê-se de tudo, – das delícias dos filhos dos homens”. E é por este caminho que pensamos atingir a angelitude, isto é, chegar a Deus.

Sim, podemos até crer que a nossa “viagem espiritual” nos reserva maravilhas, mas nada é de graça, assim como a Mente Cósmica não cessa um só instante de “pensar o universo”, assim também cada um de nós, não cessará um só instante de alimentar para si tudo aquilo por que tanto dedicou esforço e tempo para conseguir sobre os escombros do planeta que estamos construindo. Infelizmente, os governantes do mundo não se aperceberam ou fazem vistas grossas para o flagelo em que está mergulhada a maioria das espécies, arrastando consigo a horda de miseráveis existente em que todas as nações, enquanto investem e buscam Deus nos confins da física. No dizer de Einstein há um …”mistérios cósmico profundo”, mas que está no interior do próprio homem, cabendo a cada um apenas despertar.

Neste artigo

Participe da conversa