Na rota da aviação internacional

Evidenciamos o contraste da lua cheia, com um Boeing 747-8 que estava em uma das aerovias que passam próximo a Santo Ângelo

132 0
Santo Ângelo na rota da aviação (3)
Campo de visão permite visualizar um Boeing 747-8 passando em frente a lua. Foto: Marcos Demeneghi

Santo Ângelo está localizado próximo a três importantes aerovias da América do Sul e no Retrato Cotidiano de hoje, evidenciamos o contraste da lua cheia, com um Boeing 747-8 que cruzava por uma dessas rotas. A foto foi capturada exatamente às 7h20min da última segunda-feira, dia 6 e o avião estava aproximadamente a uma altura de 38 mil pés (11.562 metros) e a 796.36 quilômetros por hora.

A aeronave que sobrevoava a Capital das Missões, pertence à companhia aérea Lufthansa e tem o prefixo LH510. O Boeing seguia de Frankfurd, na Alemanha para Buenos Aires, na Argentina. Com capacidade para transportar mais de 400 passageiros, detém o título de maior avião comercial construído nos Estados Unidos e avião comercial mais longo do mundo, juntamente com o Airbus A340-600. A aeronave foi identificada com o auxílio do site Flightradar24h, que monitora voos em tempo real e apresenta dados sobre voos antigos.

As aerovias do qual falamos anteriormente são como rodovias aéreas, por quais os aviões comerciais devem obrigatoriamente seguir quando vão de um aeroporto para o outro. Nesses trajetos o piloto, através de seu equipamento de navegação, consegue navegar com segurança e precisão e as aeronaves são organizadas de forma segura no espaço aéreo de todo o globo.

No caso de Santo Ângelo, três aerovias passam próxima a cidade. Uma delas Interliga os aeroportos Jorge Newbery e Ministro Pistarini, de Buenos com destinos da Europa, como Frankfurd, Paris e Londres.
Já as outras duas, são utilizadas principalmente por aeronaves que saem de São Paulo e Rio de Janeiro para o

Aeroporto Internacional de Santiago, no Chile. Voos também fazem o sentido inverso em uma destas aerovias.
Diariamente o fluxo dessas aeronaves pode ser observado passando ao noroeste da cidade, principalmente em dias que o clima está propício para a formação de “trilha ou esteira de condensação”, que são aqueles rastros deixados no céu, semelhante a nuvens longas e que são formadas pela condensação do vapor de água em contato com as temperaturas negativas registradas na atmosfera.

Neste artigo

Participe da conversa