“Sinal de alerta” para motociclistas

Estatísticas da Brigada Militar revelam que os acidentes de trânsito nas ruas urbanas de Santo Ângelo ocorrem mais entre “carro e carro”, no entanto, os acidentes entre “carro...

878 0

acidente-01dsc_0818Ocorreram 715 acidentes de trânsito nas ruas do município em 2016, sendo que, 320 deles provocaram algum tipo de lesão corporal. Os que mais deixaram feridos foram os acidentes entre motocicletas e veículos. Até agora 189 motociclistas já sofreram lesões em colisões moto-carro e precisaram de atendimento hospitalar. Os dados são da 3ª Seção/7º RPMon e resumem as ocorrências atendidas pela Brigada Militar até o dia 30 de novembro.
Embora deixem menos feridos, os acidentes entre dois veículos são mais frequentes no município, no mesmo período foram registrados 306 ocorrências entre carro e carro, sendo que 34 condutores ficaram feridos. As estatísticas da Brigada Militar também mostram que houveram 12 atropelamentos e aconteceram até mesmo fatos curiosos como colisões causadas por cães, com “gaiota” e com ônibus. Esses tipos de ocorrência também acabam deixando pessoas lesionadas, que são atendidas pelos serviços de urgência e emergência públicos que atendem em Santo Ângelo, como Corpo de Bombeiros e SAMU. Além disso, os dados mostram outros números que chamam a atenção, somente em novembro foram registrados 44 acidentes com lesões, comparado a meses anteriores, foi o que mais registrou feridos no ano de 2016.

MOTOCICLISTAS SÃO OS QUE MAIS SE LESIONAM
img_20141019_122446-1Mesmo não sendo o tipo de socorro mais realizado pelo SAMU, os acidentes no trânsito fazem parte da rotina diária da equipe. Todos os dias condutores de veículos e motocicletas são atendidos. Segundo Alex Martins Antunes coordenador da equipe técnica do SAMU as fraturas de extremidades, ou seja, pernas e braços quebrados são as mais comuns neste tipo de acidente.
O comandante do 7º RPMon Ten Cel Jose Vilmar Robaina da Jornada, afirma que a principal causa dos acidentes é a imprudência, ocorrida pela inobservância das normas de trânsito. Em geral o motociclista é mais apressado e imprudente, possui um comportamento mais agressivo, quando se envolve em acidente de trânsito geralmente torna-se vítima com lesões corporais.

Dica de primeiros-socorros

“O motociclista que se envolve em um acidente não deve tirar o capacete”. Afirmou Alex, explicando que este é um dos erros mais comuns entre os acidentados, cerca de 90% das pessoas retiram o capacete, o que não deve ser feito.
Além disso, em alguns casos a equipe chega ao local e encontra a vitíma de pé ou caminhando, fato que pode agravar mais uma possível lesão.
O coordenador técnico do SAMU, Alex Martins destaca também que durante uma ocorrência, a primeira medida é sinalizar o local do acidente, ligar para uma equipe de resgate e pedir que a pessoa acidentada fique imóvel, pois movimentos bruscos poderão agravar os problemas. No caso de uma pequena lesão na coluna, qualquer movimento brusco poderá contribuir para o agravamento da lesão, evoluindo para um caso de paraplegia (paralisia das pernas e da parte inferior do tronco) ou tetraplegia (é quando uma paralisia afeta todas as quatro extremidades, juntamente à musculatura do tronco).
O SAMU atende seguindo o modelo francês, que é baseado em princípios, a saber: o auxílio médico urgente é uma atividade sanitária; as intervenções no local devem ser rápidas, eficazes e com meios adaptados; a abordagem de cada caso deve ser simultaneamente médica, operacional e humana, as atribuições são definidas por profissionais e a coordenação da equipe deve ser estabelecida de forma clara, humanizando o atendimento. Em Santo Ângelo a equipe é composta por seis enfermeiros (as), 5 técnicos(as) em enfermagem e 11 condutores e 9 médicos(as).

sem-titulo

Neste artigo

Participe da conversa