Segue incerto o futuro do Hospital Santo Ângelo

Em reunião na AMM prefeitos, deputados estaduais e federais concluíram que é necessário realizar uma audiência com o ministro da Saúde para debater o assunto.

368 0

Na última sexta-feira, dia 2, foi realizada uma assembleia na Associação dos Municípios das Missões (AMM), em Cerro Largo, para debater soluções para sejam manter todos os tipos de serviços prestados pelo Hospital Santo Ângelo (HSA) à população. Foi acordado entre os presentes que será agendada uma audiência com o ministro da Saúde, intensificarão também o contato com o Governo Estadual e será indicado um representante da AMM para integrar o Conselho Gestor do HSA.
Estiveram presentes na reunião o prefeito de Santo Antônio das Missões e presidente da AMM, Puranci Barcelos, prefeitos da região, os deputados Capitão Macedo (estadual) e Elvino Bohn Gass (federal), o chefe de Gabinete do deputado estadual Eduardo Loureiro, Fabiam Thomas, e representantes dos deputados federais Ubiratan Sanderson (PSL), Pedro Westphalen (Progressistas) e Darcísio Perondi (MDB).
Em assembleia foi apresentada e aprovada uma sugestão de tabela com valores a serem negociados individualmente com o Hospital Santo Ângelo, que se utilizam dos serviços, tanto de baixa, quanto de média e alta complexidade.
Porém, por falta de recursos disponíveis nos orçamentos municipais deste segundo semestre de 2019, seria impossível aumentar esses repasses de recursos, além de que a legislação vigente seria outro fator que dificultaria o aporte.
O prefeito Jacques Barbosa esteve presente em Cerro Largo, e lembrou que são diversos fatores que colaboram para a crise do HSA, entre eles a defasagem de mais de 15 anos da tabela do Sistema Único de Saúde (SUS), o fim de programas de incentivo do Estado, entrada em funcionamento de outros hospitais e fortalecimento das unidades básicas, entre outros.
Jacques ainda destacou o empenho do Governo Municipal em continuar mantendo os serviços prestados pelo HSA. “Santo Ângelo, compra R$ 239 mil em serviços, repassa outros R$ 50 mil do Samu e ainda tem a aquisição de outros serviços prestados pelo HSA para a UPA. Mas só o contrato principal, soma quase R$ 3 milhões”, disse.
Todos os presentes chegaram ao consenso de que a principal bandeira de luta das Missões tem de ser a correção na tabela do SUS e que a colocação de mais recursos financeiros no Hospital Santo Ângelo, deve ser feita, porém, com uma fiscalização de onde e como estão sendo aplicados.
Para chegar a uma solução foram estabelecidas algumas metas, nos próximos dias será agendada uma audiência com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, com a presença dos prefeitos, deputados estaduais e federais representantes da região, ainda com a participação do ministro da Cidadania, Osmar Terra e o senador, Luiz Carlos Heinze. Também será realizada uma assembleia da AMM em Porto Alegre na última quinzena de agosto, com a expectativa da participação da secretária Estadual da Saúde, Arita Bergmann.

SERVIÇOS PRESTADOS PELO HSA
Caso não seja encontrada uma solução, os serviços ambulatoriais nas especialidades de traumatologia (850 consultas), oftalmologia (500 consultas) e otorrinolaringologia (300 consultas) podem deixar de ser prestados pelo hospital.

2 - Fernando Gomes - AMM (Copy)

Neste artigo

Participe da conversa