O contexto epidemiológico mais grave desde o início da pandemia

Direção do Hospital Santo Ângelo convoca reunião com o prefeito e secretaria municipal de saúde para evitar o esgotamento da capacidade de atendimento na ala de covid-19, pois...

232 0

A lotação máxima na ala covid-19, o baixo estoque de insumos como oxigênio, o esgotamento psicológico dos profissionais da saúde são fatores que, aliados a escala crescente de número de casos de contaminações em Santo Ângelo, levou a direção do hospital a convocar uma reunião com o prefeito e secretaria municipal de saúde e coordenadoria regional.

O cenário epidemiológico já forçou a direção técnica do Hospital Santo Ângelo a suspender as cirurgias eletivas por dois dias e autoridades de saúde fazem um apelo para que a população adote as medidas de afastamento social para evitar a contaminação exponencial de pessoas no município, as informações foram expostas durante uma coletiva de imprensa ocorrida na última quita-feira, dia 03.

O coordenador Regional de Saúde, Yuri Zabolotski, responsável pelo atendimento de 24 municípios da região, avalia o contexto pandêmico como o mais crítico e grave, desde o início das medidas de agastamento social, tanto em Santo Ângelo, quanto nos municípios missioneiros. Ele disse que pela primeira vez a quantidade de pacientes internados em leito UTI, ala Covid-19, ultrapassa a quantidade internada em leitos UTI por outras doenças.

O provedor do HSA, Odorico Almeida, fez um apelo a população e pediu a compreensão. “Ontem, quando chegamos no hospital, ficamos preocupados com nossos profissionais, eles estão cansados, estamos próximos de um contexto de superlotação e já estamos racionando insumos para que não falte”. Concluiu e disse ainda que não se trata de fazer alarme, mas de evitar que estes problemas ultrapassem o limite que está.

O diretor técnico do hospital, Flávio Christensen, lembra que as outras patologias continuam ocorrendo e todos os tipos de enfermidades levam as pessoas ao hospital, para minimizar problemas foram suspensas as cirurgias eletivas por dois dias, pois o contexto geral da pandemia no Rio Grande do Sul está elevando a demanda por insumos hospitalares, caso não se estabilize ou diminuam as contaminações, pode ocorrer o comprometimento do atendimento das pessoas, inclusive em Santo Ângelo e nos municípios missioneiros.

O Prefeito do Município Jacques Barbosa e a Secretária de Saúde Andréia Bernardi estão providenciando 12 leitos na UPA – Unidade de Pronto Atendimento para uma possível utilização. No entanto, Yuri Sommer lembra que não se trata somente de leitos, a população precisa entender que também são necessários insumos e profissionais para atendimento, ainda que, eles também adoecem e formar novos profissionais não é uma tarefa fácil e instantânea, declarou o coordenador.

Coletiva de imprensa alerta sobre o tema - Foto - Fernando Gomes
Coletiva de imprensa alerta sobre o tema – Foto – Fernando Gomes

Texto e edição | Marcos Demeneghi


Comitê Coronavírus orienta clubes sociais e recreativos de Santo Ângelo

Conforme o decreto do Estado o uso de piscinas, saunas e a prática de esportes coletivos estão suspensas em razão do agravamento da pandemia

O Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus e a Secretaria Municipal de Saúde de Santo Ângelo estiveram reunidos na manhã desta sexta-feira (04), no auditório do PROCON, com os representantes de clubes sociais e de entidades recreativas do município para orientação sobre as medidas adotadas pelo Governo do Estado, em novo decreto que suspendeu a cogestão das regiões dentro do distanciamento controlado, de forma temporária, com a adoção de fato da bandeira vermelha na região das Missões e parcialmente em todo o Estado.

Com as novas regras, os clubes não poderão liberar o uso das piscinas, saunas e das quadras esportivas em suas sedes por um período indeterminado, dependendo da estabilização do número de casos e das internações da Covid-19, e conforme as determinações das próximas bandeiras, segundo o controle de distanciamento definido pelo Estado.

Segundo a integrante da Comissão de Vigilância Epidemiológica de Prevenção e Combate à Covid19 Regional e do Comitê Municipal, Daniana Pompeo, com o avanço do número de casos, internações e de óbitos em todo o Estado, a cogestão das regiões foi suspensa temporariamente, o que motivou o Comitê a reunir representantes de todas as entidades do município para alertar sobre o novo decreto estadual. “São novas medidas e restrições apontadas pelo governo estadual. Piscinas, saunas e todas as modalidades esportivas coletivas estão suspensas, com exceção à prática do tênis individual. Os clubes não estarão totalmente fechados, as pessoas poderão utilizar o espaço físico para caminhadas, corridas e churrasco com familiares nas cabanas, somente com a presença de integrantes da mesma residência com a proibição de convidados”, explicou a enfermeira.

PRESENÇAS

Estiveram presentes na reunião, além da enfermeira Daniana, o fiscal da Vigilância Sanitária Ubiratan Gross Alencastro, e os representantes das entidades recreativas: Paulo Sergio e Silva e Valdir Ferreira (Grêmio Aquático Galerno), Marilise Lacroix Voese e Luis Alberto Voese (Clube Gaúcho); Daniel Schieferdecker (Clube 28 de Maio); Vilmar Barbosa e Karine Zaltron (Clube Comercial); Gilberto Petri (Sociedade Aquática Santo Ângelo – SASA); Nairi Oscar Marciano (Associação Atlética Banco do Brasil – AABB) e Ramão Hiemen (Centro de Recuperação Física de Santo Ângelo – Sauna).

Texto: Rodrigo Bergsleithner

Fotos: Sérgio do Amaral Junior


“O vírus não é agressivo para muitas pessoas, mas para outras, é letal”

Um óbito a cada quarto dias em Santo Ângelo desde que a pandemia chegou no município e o aumento no número de casos ativos levou o comitê de enfrentamento ao Covid-19 a lançar a campanha “Santo Ângelo Contra a Covid”.

“Para uma cidade igual a Santo Ângelo isso é muito!” Disse a coordenadora do Comitê Epidemiológico Daniana Pompeo ao falar que morre uma pessoa a cada quatro dias em Santo Ângelo acometido pelo covid-19. Ela alerta que estamos vivendo o momento mais crítico da pandemia no município e percebe uma ‘triste realidade’ que só impacta um grupo familiar, quando ocorrem fatos com alguém de convivência muito próxima.

A campanha “Santo Ângelo Contra a Covid” foi lançada ontem, dia 1º, durante uma coletiva de imprensa que contou com a presença de representantes de entidades de Santo Ângelo como a ACISA, Sindilojas, Polícia Militar, Brigada Militar, Exército, Câmara de Vereadores, entre outras, ligadas a saúde como a Coordenadoria Regional de Saúde.

A faixa etária de pessoas mais atingidas e com casos confirmados em Santo Ângelo está entre os 21 e 40 anos e a letalidade entre pessoas de 71 a 90. Na análise dos dados acompanhados desde o início da pandemia em Santo Ângelo, Daniana revela que é justamente na faixa etária entre 21 e 40 anos que mais se percebem pessoas fazendo aglomerações e que estão mais contaminados.

Para completar a fala ocorrida durante o lançamento da campanha ela argumenta que nesta faixa etária os efeitos do vírus é menos agressivo, no entanto, alerta para o alto grau de letalidade entre pessoas que tem o organismo debilitado por qualquer outro motivo, inclusive, por efeitos naturais da idade.

A campanha foi lançada para que a população contribua com o andamento das atividades essenciais preservando sua saúde e de pessoas próximas, por isso, ela apela pela sensibilização das pessoas em idade produtiva e bem fisicamente, que muitas vezes, não apresentam sintomas severos e estão levando o vírus para dentro de casa.

Pelo grau de letalidade mais baixo e de efeitos menos nocivos nesta faixa etária percebe-se “certo grau” de negligência com as medidas de afastamento social, bem como, com a higiene pessoal, que no caso de evitar a contaminação viral, deve ser conduzida com rigor.

Daniana alerta para que a pessoa que se expõe ao risco, pelo menos, não deve expor os mais frágeis da família ao mesmo grau de exposição ao se aproximar. Tomar cuidado redobrado com estas pessoas.


Suspensão da cogestão e de festas de fim de ano

Diante do aumento do número de casos de Covid-19 em todas as regiões do Rio Grande do Sul e devido à proximidade das festas de fim do ano, o governo do Estado anunciou, na última segunda-feira, dia 30, mudanças no modelo do Distanciamento Controlado para enfrentamento à pandemia. Um decreto será publicado com as atualizações.

Entre as ações, estão a suspensão temporária do sistema de cogestão, alterações em protocolos de bandeira vermelha (risco epidemiológico alto), suspensão de eventos e festas de fim de ano, inclusive condomínios, incentivo à restrição de reuniões privadas e familiares, com limite de até 10 pessoas, além do reforço na campanha de comunicação para conscientizar a população e ampliação da fiscalização dos protocolos.

Antes de fazer o anúncio em transmissão ao vivo pelas redes sociais, o governador Eduardo Leite reuniu-se com o Gabinete de Crise, pela manhã e, por videoconferência, à tarde, com a diretoria da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e representantes das 27 associações regionais. Repetindo, assim, o diálogo com a entidade, como foi feito quando o sistema de cogestão foi implementado, de forma colaborativa, no início de agosto.

Novas regras para bandeira vermelha

• Permissão de comércio, sem restrição de dias, mas com restrição de horário (até 20h);
• Permissão de restaurantes, lancherias e bares, sem restrição de dias, mas com restrição de horário (até 22h), clientes somente sentados, com distanciamento de dois metros entre mesas para grupos de até seis pessoas, sem música ao vivo ou ambiente que prejudique a comunicação;
• Permissão de funcionamento de atividades em locais abertos, com controle de acesso, vedado alimentação e bebidas (shows, espetáculos, drive-in, parques de aventura, zoológicos etc.);
• Vedado o funcionamento de atividades em locais fechados (teatros, cinemas, casas de shows, etc.);
• Vedada a permanência em locais abertos sem controle de público (ruas, praias, parques, praças, etc.), permitida apenas circulação ou prática de exercícios físicos;
• Vedados eventos sociais (casamentos, festas, formaturas, aniversários etc.);
• Vedação do uso de áreas comuns em condomínios e clubes (brinquedos, salões de festas, piscinas, churrasqueiras compartilhadas, quadras etc.);
• Reforço aos protocolos gerais, em especial: máscara, distanciamento, álcool gel e ventilação natural cruzada (janelas e portas abertas);
• Manutenção das atividades de ensino no modelo híbrido, respeitando aos protocolos nas atividades presenciais;
• Demais medidas segmentadas sem alteração.


 

Neste artigo

Participe da conversa