Objetivo de visibilidade, aconchego e resgate histórico na Rua 25 de Julho

O projeto urbanístico da Rua 25 de Julho deve ser alterado. Pois obras de saneamento básico relacionadas ao esgoto pluvial e residencial exigiram a retirada das antigas floreiras,...

355 0

O projeto urbanístico da Rua 25 de Julho deve ser alterado. Pois obras de saneamento básico relacionadas ao esgoto pluvial e residencial exigiram a retirada das antigas floreiras, vegetação, bancos de concreto, bem como, do piso intertravado que pavimentava aquela via pública. Diante deste contexto, foi estimulado um diálogo entre os engenheiros da secretaria de planejamento, moradores e comerciantes que fazem uso mais efetivo daquele espaço, para delimitar as ações de reconstrução do calçadão de Santo Ângelo.

Rua 25 de Julho após a retirada do piso da pista e floreiras (foto de 15 de junho)
Rua 25 de Julho após a retirada do piso da pista e floreiras (foto de 15 de junho)

Além da função principal que é corrigir falhas no saneamento básico, a concepção geral do projeto urbanístico da Rua 25 de Julho, entre a Marechal Floriano e Marquês do Herval está em função de medidas de segurança pública e adequação a reivindicações de lojistas e moradores da rua.

Neste sentido a vegetação e o mobiliário vão privilegiar aspectos de visibilidade, ou seja, nada que tire a visão geral do espaço, pois segundo o Secretário de Planejamento Vinícius Makvitz, esta foi uma questão prioritária para os moradores e lojistas, que se queixavam de zonas escuras naquele espaço público.

Além da iluminação pública já existente nos postes da RGE, serão implantadas luminárias baixas temáticas, que além de intensificarem a iluminação pública noturna, sugerem aconchego e devem trazer referencial histórico para moradores e visitantes da cidade.

A pista de rolamento de veículos e estacionamento será reimplantada com novos tijolos de concreto no sistema intertravado, em duas cores, delimitando a área com vaga para 44 veículos.

O passeio público será em pedra basalto e com as tradicionais rampas de acessibilidade e piso táctil, mas também, mais largo que o convencional, com 5 metros de largura. Neste espaço, além das luminárias baixas, terá a reserva para implantação das floreiras e bancos de convivência. Mas a ideia, é usar árvores de pequeno porte e com diversidade de cores, além de floreiras e bancos leves que poderão ser implantados em parceria com os comerciantes do local.

Depois de um consenso entre Poder Público e moradores, o trabalho de projetar as alterações está a cargo do Arquiteto Faylo Thomas, Engenheiros civis Stephanie Anesi de Oliveira, Tunian Müller e Engenheira Eletricista Franciele Dutra. A execução envolve o trabalho conjunto das secretarias municipais de Planejamento Urbano, Habitação, Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Corsan.

Faylo Thomas, Stephanie Anesi de Oliveira, Tunian Müller e Vinícius Makvitz (Secretaria do Planejamento Urbano)
Faylo Thomas, Stephanie Anesi de Oliveira, Tunian Müller e Vinícius Makvitz (Secretaria do Planejamento Urbano)

O investimento estimado é de R$ 1 milhão, proveniente do Fundo de Gestão Compartilhada.

O prazo de conclusão anunciado pela prefeitura foi de 90 dias. A primeira etapa das obras da Rua 25 de Julho consiste na remoção da pavimentação e calçadas, árvores e floreiras. A segunda, na substituição das redes de água esgoto e, por fim, o projeto urbanístico com a pavimentação, implantação das plantas, mobília e da iluminação pública baixa.

 

Neste artigo

Participe da conversa