As andorinhas voltaram…

As andorinhas continuam desafiando os métodos que tentam barrá-las de entrar na Catedral Angelopolitana. A última técnica foi a instalação de uma porta automatizada de vidro temperado

81 0

Andorinhas da Catedral - 02 (Copy)Além da porta de madeira que originalmente faz parte da arquitetura da Catedral Angelopolitana, foi instalada uma segunda passagem de vidro temperado. Trata-se de uma porta automatizada e estruturada para evitar a entrada das andorinhas. No entanto, elas continuam revoando e fazendo ninhos no interior da igreja. A porta foi instalada a cerca de quinze dias e segundo o vigia do local, os pássaros aguardam os momentos de abertura para adentrarem no recinto.
Em maio deste ano foram gastos mais de R$ 100 mil para o tralho de limpeza e manutenção da igreja, inclusive no interior, onde as andorinhas sujavam com as suas fezes.
Naquele mês foi realizada a limpeza do frontispício, limpeza das esculturas, reparos no hall de entrada e nos pilares de sustentação, além de melhorias na parte interna da igreja.

FESTA DO ANJO DA GUARDA
A Festa do Anjo da Guarda inicia neste domingo, dia 30. Além da Missa que começa às 9h, com o tema “A Palavra de Deus – Luz e vida para o povo” será realizado um almoço festivo com cartões a venda ao valor de R$ 25 para adultos e R$ 12 para crianças.
Também será realizado um tríduo com celebrações na quarta-feira, dia 03, às 19h com o tema: A família e a comunidade, sexta-feira, dia 05, às 19h com o tema: Leigos sal e luz na comunidade e sociedade e sábado, dia 06, às 17h com o tema: Vida e saúde, dons de Deus – Unção dos Enfermos.

DISPUTAS POLÍTICAS E A IMAGEM DA CATEDRAL
Nesta semana o Bispo de Santo Ângelo Don Liro Vendelino Meurer demonstrou repúdio ao ato de instrumentalizar a simbologia da igreja para fins de campanha política.

Nota de esclarecimento da Diocese de Santo Ângelo:
1. Que o espaço na frente da Catedral é público;
2. Que o uso da imagem da catedral para campanha política não tem autorização da Diocese
Manifestamos, por isso, nosso repúdio a quem instrumentalizou este símbolo religioso e histórico tão importante e cara para todos nós.
Dom Liro Vendelino Meurer – bispo diocesano

Neste artigo

Participe da conversa