Dívida da Cotrisa ameaça o patrimônio dos cooperados

902 0

Depois de sucessivos acúmulos de prejuízos e uma dívida maior que o patrimônio.  A Cotrisa foi beneficiada com um processo chamado “Autoliquidação Extrajudicial”, algo semelhante a uma concordata, onde é permitido pagar as dívidas de acordo com as possibilidades e não conforme os prazos dos credores. O processo de autoliquidação tem prazo de um ano, com possibilidade de prorrogação por igual período.           
Neste processo que ainda está em andamento, uma auditoria trabalha para realizar o levantamento detalhado e atualizado do valor dos bens e das dívidas da Cotrisa. No dia 5 de junho, foi dado início a este processo e para administrar o período de autoliquidação foram nomeados três Liquidantes: Valdir da Silva Lima (contador há cerca de 30 anos na Cotrisa); Julio Terra Dias (produtor rural, associado e conselheiro) e Roberto Haas (que presidia a cooperativa desde o ano de 2003).
No entanto, Roberto Haas, foi afastado, conforme alegaram os demais liquidantes, por conflito de interesses e por realizar ações a revelia do conselho, a exemplo disso, foi relatado sobre uma suposta negociação realizada com a empresa Esportrade, em que foi entregue (em troca de uma dívida) o parque Industrial de Santo Ângelo pelo valor de R$ 10 milhões, e segundo os liquidantes o valor do referido imóvel é muito superior a esta avaliação, sendo que este ato teria sido realizado dias antes da primeira assembléia que definiu o processo de autoliquidação. Os atuais liquidantes alegaram desconhecer tal transação, neste sentido devem formalizar junto à justiça a anulação de tal ato.

Os liquidantes decidiram expor a situação da cooperativa para os associados e também para a comunidade através da imprensa local

Neste contexto que na última sexta-feira, dia 29 de agosto, foi convocada uma assembléia geral extraordinária, onde foram convidados os associados e a imprensa local para a exposição de um Balancete Intermediário de Autoliquidação. A intenção foi expor aos associados o quadro encontrado pelos liquidantes. No entanto, só estiveram presentes na Afucotrisa, onde foi realizada a assembléia, cerca de 70 associados, sendo que a cooperativa possui mais de cinco mil sócios.
O liquidante Valdir da Silva Lima, entre outros dados, expôs que no período de 1º de janeiro até 5 de junho de 2014, a cooperativa já havia contabilizado um prejuízo de quase R$ 70 milhões, neste mesmo período, apurou uma receita bruta de pouco mais de R$ 16 milhões. Já o endividamento acumulado em sucessivos anos de prejuízos já ultrapassou os R$ 211 milhões. Conforme o balancete apresentado, o endividamento passou a demonstrar sinais de insustentabilidade já no ano de 2006. A dívida contraída, segundo expuseram nesta reunião os liquidantes tem como principais credores: fornecedores de insumos, Conab – Companhia Nacional de Abastecimento, bancos, entre outros, conforme o gráfico elaborado pela redação do O Mensageiro.  
Segundo o liquidante, Valdir da Silva Lima, a intenção é não permitir que os bens da cooperativa sejam leiloados, neste período de Autoliquidação, pretende-se tomar providências como o enxugamento do quadro de funcionários e a realização de negócios que possam reestabelecer a sustentabilidade da cooperativa, bem como, recuperar o parque industrial e realizar negociações financeiras favoráveis junto aos bancos e credores.
Está sendo realizado um levantamento atualizado do patrimônio, pois a COTRISA tem unidades em Catuípe, um parque Industrial em Santo Ângelo, Comandaí, Carajazinho, Entre-Ijuís, Roque Gonzales, Esquina Gaúcha, Eugênio de Castro, Santa Cruz em Catuípe, São Paulo das Missões, Mato Queimado, Parque Industrial II de Santo Ângelo, Cerro Largo, São Pedro do Butiá, Coimbra, São Miguel das Missões, Guarani das Missões, Caibaté,  Rincão dos Pires – Jóia,  Vitória das Missões, Restinga Seca, entre outras benfeitorias como a  Afucotrisa, Supermercado e moinho de farinha e negócios em andamento. Dentro de 30 dias deve ser concluída uma avaliação dos bens da Cooperativa e uma tentativa de preservar este patrimônio.

Neste artigo

Participe da conversa