Remendos com nivelamento deficitário deixam ondulações em ruas e avenidas

Valos abertos para implantação das redes de esgoto são fechados na Av. Getúlio Vargas e XV de Novembro e a pista de rolamento recuperada em 2016 com recursos...

233 0

A técnica que a empreiteira a serviço da Corsan utiliza para realizar o fechamento das valas abertas para implantação de redes de esgoto, não permite a linearidade do asfalto e modifica as características da pista de rolamento de trechos da Av. Getúlio Vargas, XV de Novembro e Rua Santa Rosa, próximo da Cohab em Santo Ângelo. Neste mês uma das frentes de trabalho realiza obras em vias totalmente recuperadas em setembro de 2016 pelo programa pró-transporte.

Av. Getúlio Vargas
Av. Getúlio Vargas

Outros locais do município também estão com obras em andamento e a mesma característica é detectada. Estes serviços são contratados pela CORSAN, que investe somente nesta empreitada, R$ 19 milhões.

O objetivo dessa etapa é concluir 42 km de redes coletoras no município. Infraestrutura de coleta de esgoto sanitário que impacta na vida de 4.711 famílias (17.350 habitantes).

Em menos de três anos a concessionária pretende alcançar a cobertura de 50% da população.

Cicatrizes do asfalto (6) (Copy) Cicatrizes do asfalto (3) (Copy)
Acordo entre corsan e prefeitura

Maio de 2018 – Prefeito de Santo Ângelo ameaça romper o contrato com a Corsan, alegando falta de compromisso com a ampliação da rede de esgoto e também com a baixa qualidade da pavimentação de ruas e avenidas depois de obras para ligações de água e esgoto. Conforme documentos apresentados pelo chefe do Executivo santo-angelense, a conta da CORSAN com o município alcança a cifra de R$ 5.149.190,29. Na reunião, também foi entregue ao diretor-presidente, uma relação com o nome das ruas e avenidas que necessitam de recuperação total e parcial.

Novembro de 2018 – Executivo e legislativo elaboram uma proposta e entregam ao diretor-presidente da CORSAN, Jorge Luiz Costa Melo. O Executivo exige o cumprimento das metas para a ampliação da rede coletora de esgoto doméstico e a repavimentação de ruas e avenidas que sofreram intervenções por obras da Corsan.

Dezembro de 2018 – Depois de quatro rodadas de negociação entre a Corsan e Administração Municipal de Santo Ângelo, foi aprovado um documento com novas cláusulas contratuais com a CORSAN. Neste documento constam definições de metas e prazos para a Corsan levar saneamento básico (água e esgoto) a todos as economias de Santo Ângelo até o ano de 2035. A Corsan se comprometeu em destinar verbas para reparar o asfalto onde ocorreram danos provocados pelas intervenções da Companhia.

Dezembro 2018 – A Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) e a Prefeitura de Santo Ângelo, renovaram, em 20 dezembro de 2018, o contrato de programa de água e esgoto por mais 20 anos. Com isso, a parceria passa a ter vigência até o ano de 2055. Pelo novo contrato, a Companhia se compromete com a universalização do serviço de esgotamento sanitário no ano de 2035, e até 2022 estarão concluídas as obras na Bacia 4 e bairro Pilau, bem como nas bacias 1, 2 e 3. O Plano de Saneamento Básico do município prevê investimentos na ordem de R$ 130 milhões.

Março 2019 – Assinado um termo para a liberação de R$ 3.180.000,00 da CORSAN para a recuperação asfáltica de mais de 40 quadras da área urbana afetadas pelas obras de modernização realizadas pela companhia ao longos dos últimos anos e que. , segundo parecer técnico, não receberam a manutenção adequada

Neste artigo

Participe da conversa