O quero-quero no telhado do vizinho

Meller (2018) também relata a característica da plumagem das asas que apresenta reflexos verdes e violáceos. Em média, o quero-quero mede 37 cm. Vive em áreas abertas, tanto...

155 0
Quero-quero no telhado - Foto: Marcos Demeneghi
Quero-quero no telhado – Foto: Marcos Demeneghi

O quero-quero é uma das aves mais abundantes no território Brasileiro e ave símbolo do Rio Grande Sul. Uma dupla desta espécie frequentemente emite seu canto no alto do telhado do prédio vizinho a redação do Mensageiro. Mesmo com o frio e a chuva desta semana eles mostram sua graça ao defenderem seus territórios com o som característico.

Alias, esta é uma das características do quero-quero. No livro “Aves da região noroeste do Rio Grande do Sul”, Dante Andres Meller (2017) descreve que o quero-quero “e muito agressivo quanto perturbado em seu território, especialmente quando está nidificando, podendo dar rasantes intimidadores sobre intrusos”.

Nidificação é a ação de alguma espécie de animal construir seu ninho. É muito comum aos pássaros no período de incubação de seus ovos. Em algumas espécies tanto o macho, quanto a fêmea constroem o ninho; em outras, somente a fêmea ou o macho.

Esta espécie também é caracterizada pela espora nas dobras das asas. Seu nome é anomatopeico, ou seja, tem semelhança fonológica e sonora com o canto que emite.

Muito comum ouvir o canto do quero-quero que já serviu de inspiração para dezenas de letras músicas e poesias regionalistas. Também conhecida como ave sentinela dos pampas. Texto que representa o MTG – Movimento Tradicionalista descreve que “Nosso acervo cultural retrata a paisagem sem fim de nossos campos, cortados pelos tropeiros, os rangidos choromingantes das carretas de bois e o grito sentinela do quero-quero”.

Meller (2018) também relata a característica da plumagem das asas que apresenta reflexos verdes e violáceos. Em média, o quero-quero mede 37 cm. Vive em áreas abertas, tanto rurais, quanto urbanas.

Neste artigo

Participe da conversa