Fogo em vegetação coloca em risco moradores e motoristas

Clima seco contribui para focos de incêndios em vegetações e mobiliza a equipe do Corpo de Bombeiros de Santo Ângelo quase que diariamente. Esse tipo de ocorrência é...

140 0
Vegetação queimada as margens da ERS 344 mostra os estragos provocado por um incêndio ocorrido no último dia 24
Vegetação queimada as margens da ERS 344 mostra os estragos provocado por um incêndio ocorrido no último dia 24
Incêndio atingiu uma área de Eucaliptos que fica às margens da BR 285, na última semana - Foto: Divulgação / Facebook Caçadores de Notícias
Incêndio atingiu uma área de Eucaliptos que fica às margens da BR 285, na última semana – Foto: Divulgação / Facebook Caçadores de Notícias

O clima seco, baixa umidade do ar e falta de conscientização favorecem o aumento de focos de incêndios em vegetações. Somente nas últimas semanas o Corpo de Bombeiros de Santo Ângelo atendeu pelo menos oito ocorrências do tipo. Na quinta-feira, dia 27, um incêndio atingiu uma grande área de vegetação rasteira e eucaliptos as margens da BR 285, próximo ao município de Entre-Ijuís. O fogo mobilizou os Bombeiros de Santo Ângelo que levaram mais de uma hora para combater as chamas. A equipe atuou ainda para combater o fogo as margens da ERS 344, em terrenos baldios e ocorrências na zona rural do município.
Segundo o capitão Jandir Ortiz Borba, Comandante da Companhia de Bombeiros de Santo Ângelo, fogo em vegetação rasteira tem sido a ocorrência mais atendida nos últimos dias e mobilizam as equipes quase que diariamente. O Capitão destaca também que a principal causa das ocorrências ainda é a falta de conscientização.
Nas últimas semanas tem aumentado o número de chamados para atender esse tipo de ocorrência, que são registradas quase que diariamente. O tempo seco, aliado com as geadas contribuíram para secar a vegetação e aumentar as chances de incêndios.
“Pedimos que a comunidade em geral tome alguns cuidados, como não jogar fora tocos de cigarro ainda acesos e principalmente evitar colocar fogo em vegetação seca, uma vez que esses incêndios colocam moradores e motoristas que trafegam pelas rodovias em risco, já que a fumaça atrapalha a visão e os focos de incêndios têm acontecido justamente próximos de estradas”, destaca o capitão.
O comandante da Companhia de Bombeiros adverte que provocar incêndio irregular em mata ou floresta é crime ambiental previsto em lei nº 9.605. Além disso, destaca que algumas pessoas ainda tem o pensamento de que é correto queimar a vegetação seca para possibilitar o crescimento de uma nova, o que acaba favorecendo as queimadas de forma irregular. Qualquer dúvida ou informação pode ser obtida com o Corpo de Bombeiros local.
Em 2017 o estado enfrenta um dos climas mais secos para a época nos últimos anos e segundo Dados do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), já foram registrados 885 focos de incêndio, sendo 589 em julho. A região com mais ocorrências é a Oeste.
Além disso, o programa de monitoramento de queimadas do INPE destaca que atualmente a Região das Missões é uma das que mais apresentam riscos de queimadas e incêndio em vegetações no estado em função das pastagens e clima seco.

SAIBA MAIS
As queimadas
As queimadas são os resultados do fogo em regiões florestais ou de campo, provocadas de forma casual ou proposital, e são responsáveis pelo lançamento de Dióxido de Carbono (CO2) na atmosfera.

Tipos de Incêndio
– Rasteiro ou superficial: tem muitas chamas e alastra-se com rapidez;
– Subterrâneo: é difícil de ser identificado, pois quase não libera fumaça e alastra-se lentamente;
– Incêndio de Copa: alastra-se rapidamente, pois atinge as copas das árvores, propagando-se por elas.

Consequências
Destruição do solo, causando erosões; Extinção das vegetações nativas; Destruição da fauna e da flora; Redução do volume das águas dos rios, causando o secamento dos leitos; Aumento dos problemas respiratórios, principalmente em crianças e idosos; Prejuízos à qualidade de vida.
Quem não respeitar normas legais ficará sujeito às penalidades: obrigação de reparar qualquer dano ambiental; perda ou restrição de benefícios concedidos pelo Poder Público; pagamento de multas; perda ou suspensão de linhas de financiamento em estabelecimentos oficiais de crédito do Estado; processo criminal de acordo com a Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal nº 6.905/98).
Para fazer queimada autorizada é preciso: Pedir autorização ao Instituto Estadual de Florestas – IEF e seguir as recomendações previstas. A autorização para queima controlada é emitida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – Semad, através das Superintendências Regionais de Regularização Ambiental – Suprams e seus respectivos Núcleos Regionais de Regularização Ambiental – NRRA, por ato autorizativo denominado.
Fonte: http://queimadas.cptec.inpe.br

Queimada

Neste artigo

Participe da conversa