Nuvem linear de vapor ou fumaça?

Airbus A320 da TAM que comporta 220 passageiros deixou visível suas marcas no azul do céu das Missões. A aeronave estava a 36 mil pés (11270 metros) e...

106 0

Diariamente cortam o espaço aéreo regional aeronaves de grade porte. Na manhã de ontem, dia 27, o Airbus A320 da TAM que comporta 220 passageiros deixou visível suas marcas no azul do céu. A aeronave estava a 36 mil pés (11270 metros) e viajava de Santiago no Chile a São Paulo. No momento da fotografia a aeronave estava a uma velocidade de 960 km/h.

A foto mostra o rastro de condensação deixado pelo avião que passou por volta das 10h12min da segunda-feira. As informações são do site Flightradar 24h, que monitora aeronaves em tempo real e inclusive simula o voo das aeronaves.
Os rastros de condensação ou Contrail, são nuvens lineares formadas pela condensação dos gases de exaustão dos motores das aeronaves a elevadas altitudes. Gotículas de água resfriadas (-35°C) estão em suspensão no nível de voo dos grandes aviões.
O calor de exaustão das turbinas pode alcançar mais de 300 °C e ao chocar-se com as gotículas resfriadas na atmosfera, condensam-nas formando vapor de água, formando nuvens chamadas stratus quando mais baixa, ou cirrus quando em altitude elevada. As trilhas de nuvens acontece com qualquer avião à jato, de passageiros ou de guerra e permanecem no céu por poucos minutos até se desfazer. Origem das informações sobre Contrail: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Neste artigo

Participe da conversa