Moradores trocam pisos em oficinas de capacitação

Secretaria de Habitação realiza oficina para os moradores do Residencial Jardim. A ideia é estender cursos para núcleos comunitários da cidade oferecendo oportunidade de renda às famílias

86 0

35761493_2186145191616357_5142531293174562816_o

As 138 famílias moradoras do Residencial Jardim estão recebendo uma série de oficinas de capacitação por meio de um projeto piloto da Secretaria Municipal de Habitação que objetiva, além de oferecer qualificação para a geração de renda do núcleo familiar, o aperfeiçoamento de profissionais autônomos em diferentes áreas.

Nesta semana, o prefeito Jacques Barbosa e o secretário municipal de Habitação Rodrigues Flores, acompanharam o início da oficina de assentamento de azulejos e cerâmica no Núcleo Comunitário do Bairro Jardim, em curso ministrado pelo instrutor Máximo Scher, realizando a substituição do piso da própria sede comunitária. “Uma bela iniciativa que surge como alternativa de emprego e renda às famílias e pode qualificar profissionais que já atuam na construção civil”, avaliou Jacques.

Rodrigo Flores destaca que os moradores do Residencial Jardim também receberão nos próximos dias, oficina para aplicação de papel de parede. O secretário destaca que este é um projeto social da Habitação e que pretende estendê-lo a um plano maior, atendendo todos os núcleos comunitários da cidade e do interior, com oportunidade de qualificação profissional.

As oficinas não têm distinção de sexo ou idade. A dona de casa Silvia Dumke da Cruz, de 40 anos, fora do mercado de trabalho, mãe de três filhos e beneficiária do Programa Bolsa Família, por exemplo, busca na oficina de assentamento de azulejos e cerâmica, uma oportunidade de renda e até mesmo a execução de pequenos reparos em casa. “Aprender é sempre bom. Como não tenho uma profissão, achei uma boa ocasião para aprender algo novo e, quem sabe, um caminho profissional”, assinalou.

O secretário da Habitação explica que as oficinas oferecem o conhecimento de habilidades e competências necessárias para o desenvolvimento de atividades em segmentos com carência de profissionais e que podem contribuir para a geração de renda, considerando áreas de grande demanda no mercado.

O RESIDENCIAL
Nesta primeira etapa, explica Flores, foram atendidas as famílias em situação de vulnerabilidade social reassentadas no Residencial Jardim, que ocupavam Áreas de Preservação Permanente dos bairros Castelarin, Fava e Meller, loteamento que recebeu investimentos avaliados em mais de R$ 8 milhões.

Neste artigo

Participe da conversa