Dois anos fora dos gramados

O Elite Clube Desportivo foi denunciado e julgado pela Justiça Desportiva/RS em razão da desistência da Segunda Divisão do Campeonato Gaúcho. O clube foi multado e condenado a...

117 0

Cadeado

O retorno do Elite Clube Desportivo ao futebol profissional de Santo Ângelo está marcado pelo silêncio dos dirigentes, o fim do sonho de jovens atletas e a suspensão das competições da Federação Gaúcha de Futebol (FGF). A expectativa do torcedor foi frustrada, ansioso para assistir aos espetáculos de futebol na Zona Sul, assiste agora um imenso vazio ao ver o time longe das competições oficias.
A decisão de suspender o time missioneiro por dois anos foi tomada no dia 13 de julho, quando o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Sul julgou a denúncia oferecida pela Procuradoria de Justiça Desportiva/RS.
O Departamento de Competições da FGF confirmou “o gancho” ao clube missioneiro, que também deverá pagar multa, por infração no artigo 204 do CBJD e artigo 39, §6º, do Regulamento do Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão, devido à desistência da competição.
Mesmo com auxílios da Federação Gaúcha, que banca algumas taxas como de contratos e registros; taxas de borderôs, custo de bolas; taxas de arbitragem, taxas dos delegados, entre outras, o Elite não resistiu a turbulências financeiras e desistiu na segunda fase da competição.
Ao clube restava arcar com despesas administrativas, de logística, pessoal e impostos, porém nem mesmo os auxílios da federação não foram o suficiente para o clube seguir na disputa. Pouco apoio empresarial, dividas, não liberação do Estádio para mandar jogos a noite e o baixo número de torcedores presentes nas partidas da equipe, foram as alegações da diretoria para explicar as dificuldades encontradas ao longo da competição.
O campeonato da Segunda Divisão encerrou no domingo, dia 6 e teve o Internacional como Campeão. Além disso, Bagé e Igrejinha subiram para a Divisão de Acesso do ano que vem. O JOM tentou contato com a direção do clube para falar sobre projetos futuros, porém o presidente do Elite não quis se pronunciar e o gestor do clube não atendeu as ligações.

Linha do tempo

A volta do Elite C.D.

IMG_2889

O Elite foi fundado em 30 de setembro de 1921 e conquistou títulos locais e estaduais durante a existência. O clube disputou competições até 1989, quando fundiu-se em ao Grêmio Esportivo Santo-angelense e ao Tamoyo Futebol Clube. O Galo Carijó recebeu autorização para retornar após reunião entre representantes do Elite, da AER Santo Ângelo e da Federação Gaúcha de Futebol (FGF) em 2016.
Já no mês de agosto do ano passado, ocorreu a apresentação da diretoria, do técnico chileno, Jorge Maiben Castro e o foi exposta as propostas do clube empresa, além de apresentar os uniformes. Também foi anunciado que o Elite desenvolveria atividades de longo prazo no futebol para as categorias de base e profissional.

 

O primeiro elenco

DSC_0047

Após o anúncio oficial de retorno do clube, foi dado o ponta pé inicial para a formação de uma equipe profissional para disputar a Segunda Divisão. Peneirões selecionaram jogadores em Santo Ângelo e em cidades da região. As seletivas aconteceram durante todo o mês de outubro do ano passado. E a pré-apresentação dos jogadores selecionados aconteceu no mês seguinte na Zona Sul. Já em janeiro deste ano, após o processo de formação de um grupo principal, o Elite voltou a pisar em gramados após 28 anos. O clube realizou amistosos contra equipes amadoras e também times consolidados na região como São Luiz de Ijuí e Inter-SM.
Mesmo com resultados negativos em algumas das partidas, a diretoria, avaliou como boa as atuações da equipe recém montada frente a clubes profissionais já tradicionais na região.

A desistência

DSC_0087

O Elite estreou na Segunda Divisão com empate em casa em 1 a 1 com o Nova Prata e no início da competição chegou a empolgar os torcedores, conquistando vitórias contra equipes como o TAC de Três Passos e o Gaúcho de Passo Fundo. A Equipe Carijó terminou a fase classificatória em quarto lugar.
Foi na primeira fase que os problemas iniciaram, com a sequência de derrotas e salários atrasados. Além disso, más condições de trabalho e falta de alimentação, foram expostas pelos própios jogadores. A “gota d’água”, que levou o clube a desistir da competição ficou marcada pela saída do treinador chileno Jorge Maiben Castro, que deixou o clube devido aos atrasos salariais. Em reunião na manhã do dia 23 de junho, a diretoria resolveu oficializar a desistência da competição.

 

Neste artigo

Participe da conversa