Por que eles fazem Enem e vestibular?

Alunos do terceiro ano do ensino médio estão prestes a ingressar no ensino superior. Nos próximos dois finais de semana 3.137 inscritos farão o Exame Nacional do Ensino...

103 0
Júlia Castanho de Freitas pretende Psicólogia (particular) - Ellen da Rocha pretende Medicina (Federal); Juliana Lucca pretende Direito (particular); Ana Luiza Persigo pretende Farmácia (particular com bolsa); Carolina Marolli - Medicina (Federal)
Júlia Castanho de Freitas pretende Psicólogia (particular) – Ellen da Rocha pretende Medicina (Federal); Juliana Lucca pretende Direito (particular); Ana Luiza Persigo pretende Farmácia (particular com bolsa); Carolina Marolli – Medicina (Federal)

Alunos que concluem o 3º ano do ensino médio em 2017, nesta semana, estão focados na prova do ENEM, pois percebem que o exame é uma das portas de entrada no ensino superior, tanto em uma universidade federal, quanto na privada, pois o desempenho no ENEM também colabora para acessar as políticas públicas federais de fomento a educação como as bolsas de estudo ofertadas pelo Prouni – e financiamento pelo FIES – .

Os alunos do “terceirão” que fazem o ENEM neste final de semana sonham em conquistar uma nota que lhes abra a porta para acessar a Universidade Federal, mas também preparam-se para o vestibular, eles buscam mais de uma via de acesso ao ensino superior.
Entre aqueles que vão ingressar em uma instituição privada, grande parte fala que pretende acessar as bolsas de estudo e os financiamentos federais, deste modo, fazem o ENEM como forma de credenciamento às políticas públicas.

Influencia na decisão de optar por uma universidade federal ou privada a oferta do curso pretendido, a localização da universidade, o conceito do curso, as modalidades de financiamentos e bolsas ofertadas e até mesmo a situação política que afeta o investimento na educação pública.

As medidas governamentais de congelamento do investimento por 20 anos, inclusive na educação, provoca incerteza na continuidade das políticas públicas e causa apreensão na hora de optar por uma Universidade Federal e investir em deslocamento para acessar o ensino superior. Portanto, o momento político também interfere na escolha destes jovens. Por outro lado, nossos entrevistados que pretendem fazer cursos que tradicionalmente são federais como Medicina e artes visuais, estão focados no ENEM.

As instituições privadas também são afetadas diretamente pelo momento político e econômico, Olmar Krüger responsável pelo setor de apoio ao estudante da URI, reconhece que houve uma diminuição na oferta de bolsas por meio do PROUNI e Financiamentos pelo FIES, ele estima que a redução seja de 30%.
Krüger conta que a cada cinco matriculados pagantes em uma instituição privada, é possível ofertar uma bolsa de estudos de 100% por meio do Prouni. No entanto, a redução de verba para esta finalidade tem diminuído drasticamente e dificultado a oferta tanto para o Fies quanto para o Prouni, concluindo que o cenário político nacional interfere no local.

Pedro Henrique da Silva Santos pretende Engenharia Mecânica (particular com Fies ou Prouni); Lara Gabriela Nolasco Licenciatura Química (Particular ou Federal); Isabel Monteiro Malakowski pretende Direiro (particular com bolsa ou federal); Carlos Eduardo de Oliveira Bueno, Ciências Econômicas (Particular com bolsa)
Pedro Henrique da Silva Santos pretende Engenharia Mecânica (particular com Fies ou Prouni); Lara Gabriela Nolasco Licenciatura Química (Particular ou Federal); Isabel Monteiro Malakowski pretende Direiro (particular com bolsa ou federal); Carlos Eduardo de Oliveira Bueno, Ciências Econômicas (Particular com bolsa)
Pâmela Eduarda Brigo pretende Ciências Contábeis (particular); Giovana Aralde de Carvalho pretende Direito (particular); Eduardo Sausen pretende a carreira militar mas fará vestibular e Enem para Engenharia Elétrica; Ana Luisa Speroto Barth pretende Artes Visuais (Federal); Ramão Fortes pretende o cursar Direito e sonha com a Federal
Pâmela Eduarda Brigo pretende Ciências Contábeis (particular); Giovana Aralde de Carvalho pretende Direito (particular); Eduardo Sausen pretende a carreira militar mas fará vestibular e Enem para Engenharia Elétrica; Ana Luisa Speroto Barth pretende Artes Visuais (Federal); Ramão Fortes pretende o cursar Direito e sonha com a Federal

 

 

ENEM

Nos dias 5 (próximo domingo) e 12, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2017 será realizado em todo o Brasil. As provas serão aplicadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
No dia 05 serão aplicadas as provas de: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias / Redação / Ciências Humanas e suas Tecnologias – com duração de 5h 30min
No dia 12/11 serão aplicadas as provas de: Ciências da Natureza e suas Tecnologias / Matemática e suas Tecnologias – com duração de 4h30min
Nos dias de realização do Exame, os portões de acesso aos locais de provas serão abertos às 12h e fechados às 13h, de acordo com o horário oficial de Brasília, sendo estritamente proibida a entrada do participante que se apresentar após o fechamento dos portões.
A aplicação das provas terá início às 13h30min, horário oficial de Brasília.

Neste artigo

Participe da conversa