“O Brasil todo parou para pensar na educação dos surdos”

O Diretor da Uníntese, Pedro Stieler, comenta sobre o tema da redação do ENEM: “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. A especificidade do assunto surpreendeu...

979 0
Pedro Stieler na sede da Uníntese em Santo Ângelo
Pedro Stieler na sede da Uníntese em Santo Ângelo

“Vibramos com o tema da redação de ENEM” disse o diretor da Unintese, Pedro Stieler, o educador complementa a fala dizendo que “o Brasil todo parou para pensar na educação dos surdos”.

Além dos desafios de oferta de ensino da língua e a disponibilização de interpretes em sala de aula, é necessário compreender que a cultura de ensino no Brasil tem ênfase na oralidade. Ensinar para o surdo demanda uma didática que explora outros recursos de ensino como os visuais, por exemplo.

A Unintese é referências nacional no ensino da Língua Brasileira de Sinais – Libras, tem sua sede em Santo Ângelo, mas está presente em 85% do território nacional. Oferece cursos de capacitação e pós graduação desde junho de 2005, pouco antes do decreto que tornou obrigatório o ensino da língua de Libras em escolas. (A lei foi regulamentada no ano de 2002)

A disciplina de Libras tornou-se uma cadeira obrigatória em todos os cursos de graduação que formam professores. Pedro Stieler compreende que a regulamentação da lei foi um primeiro passo, mas percebe a necessidade de continuar avançando com a qualificação de professores e também incluindo o ensino da língua (Libras) na grade curricular das escolas.

“É pelos surdos que nos trabalhamos, a Uníntese já formou 2832 interpretes de Libras no sistema de pós graduação e tem mais de 15 mil cursistas que utilizam a plataforma gratuita da instituição para aprender a língua,” afirmou o diretor. Stieler revelou que toda a equipe pedagógica, alunos e principalmente os surdos ficaram felizes com a proposta deste ano do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inpe).

Campanha do MPT-RS motiva redação do Enem

Imagem da campanha “Diversidade no Trabalho”, divulgada pelo Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) a partir de 2009, serviu como “Texto 3” dos “Textos Motivadores” do tema da redação do Enem 2017 “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. O tema foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) no início da tarde deste domingo, dia 5.

A prova teve quatro textos motivadores diferentes. Um deles incluiu dados sobre o número de alunos surdos na educação básica entre 2010 e 2016. Outro apresentou um trecho da Constituição Federal afirmando que todos têm direito à educação. Um terceiro mostrou aos candidatos uma lei de 2002, que determinou que a Língua brasileira de sinais (Libras) se tornasse a segunda língua oficial do Brasil.

O anúncio do MPT-RS abordou um quarto aspecto da questão: o fato de surdos seguirem excluídos por causa do preconceito, mesmo que tenham a formação educacional necessária para entrar no mercado de trabalho. A campanha é da procuradora Márcia Medeiros de Farias.

Anúncio da “Diversidade no Trabalho”, de 2009, era o “Texto 3” dos “Textos Motivadores” do tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”
Anúncio da “Diversidade no Trabalho”, de 2009, era o “Texto 3” dos “Textos Motivadores” do tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”

 

 

 

 

Neste artigo

Participe da conversa