Estudantes de Engenharia Elétrica da URI montam impressoras 3D

Os equipamentos foram desenvolvidos por estudantes do 8º semestre

186 0
 Três impressoras 3D foram montadas com recursos e estruturas próprias da URI
Três impressoras 3D foram montadas com recursos e estruturas próprias da URI

Acadêmicos do oitavo semestre de Engenharia Elétrica da URI Santo Ângelo montaram, com recursos e estrutura próprios, três impressoras 3D. Os estudantes Pedro da Costa Petry e Everton Grass utilizaram a estrutura da Universidade e o apoio do corpo docente do curso para estruturar os equipamentos. As ações, desenvolvidas ao longo do segundo semestre de 2016, resultaram
Conforme relata Everton, o interesse surgiu a partir da aquisição de uma impressora 3D pela própria Universidade. “Buscamos recriar uma impressora utilizando uma plataforma de código aberto, com informações a partir de grupos e vídeos da internet. O conhecimento adquirido no curso ajudou muito na montagem e ajuda de professores, principalmente o professor Nelson Knak”, afirma.
Depois de dois meses de pesquisa, os estudantes montaram o primeiro protótipo, utilizando peças impressas na Universidade.
“Montamos toda a estrutura com recursos próprios, isso barateou muito a montagem. Ao final, economizamos quase dois terços do valor que teríamos pago comprando uma pronta”, explica Pedro. Ele conta que desde o início do projeto eles pensaram na reutilização de sucata de impressoras velhas, para poder estruturar o modelo.
O primeiro protótipo utiliza tecnologia FDM – Modelagem por fusão e depósito, que deposita camadas de polímeros conforme imprime. Uma inovação no modelo é o uso de ACM – um material que une PVC com duas placas de alumínio, usado em fachadas de prédios comerciais. “A maioria das impressoras que já tínhamos visto usam MDF e Acrílico, mas o ACM tem respondido muito bem”, ressalta Everton.
O segundo e o terceiro modelo surgiram como aperfeiçoamentos do primeiro protótipo:
“Nossa segunda impressora, um modelo mais comercial, é também uma Graber Cartesiana, como a primeira, mas mais aperfeiçoada. A terceira é uma Core XY, com mais aprimoramentos”, explica Pedro. Eles pretendem, no próximo ano, inserir-se entre as empresas incubadas na Urinova – Incubadora de Empresas de Base Tecnológica da URI Santo Ângelo, utilizando a experiência dos primeiros projetos para montar impressoras e imprimir peças de maneira comercial.

Neste artigo

Participe da conversa