“Missa da Terra Sem Males” recepciona peregrinos no domingo

Participantes da Caminhada Internacional das Missões Jesuíticas serão agraciados com a apresentação de um coral de 200 vozes e encenação de alunos da UFSM

799 0

No pavilhão do Parque de Exposições Siegfried Ritter, o artesão João Escobar, realiza o trabalho de restauração de uma Cruz Missioneira que será utilizada durante o espetáculo da “Missa da Terra Sem Males”, neste domingo, dia 15, às 18h30min, em frente à Catedral Angelopolitana.
O evento está sendo preparado para recepcionar os participantes da primeira Caminhada Internacional das Missões Jesuíticas. Os peregrinos percorreram 741 quilômetros entre Paraguai, Argentina e Brasil, durante um mês, conhecendo mais sobre a história jesuítica e sete patrimônios culturais mundiais.
Os participantes da caminhada partiram para o longo trajeto no dia 18 de agosto, em San Ignácio Guazo, no Paraguai. Em doze dias os peregrinos percorreram e conheceram o território paraguaio, passando por Santa Maria de Fé, Santa Rosa de Lima, Santiago, Ayolas, San Cosme e Damian, Coronel Bogado, Fram, La Paz, Jesús, Trinidad e Bela Vista.
Na Argentina, eles foram recepcionados na cidade de Córpus. No dia 30 de agosto, partiram para San Ignácio Mini, Loreto, Santa Ana, Cerro Azul, Mártires, Santa Maria Maior, Itacaruaré e San Javier, e chegaram ao Brasil na última quinta-feira, dia 5, em Porto Xavier.
Na sexta-feira, dia 6, deram início a reta final do percurso, passando por Assunção do Ijuí, depois Pirapó, São Nicolau, São Luiz Gonzaga, São Lourenço, Caaró, São Miguel, Carajazinho, São João Batista, Entre-Ijuís e chegando a Santo Ângelo no dia 15.

MISSA DA TERRA SEM MALES
A “Missa da Terra Sem Males” é uma missa cantada, escrita por Dom Pedro Casaldáliga e Pedro Tierra, e com música de Martín Coplas. Ela relata o massacre realizado pela civilização ocidental e defende o compromisso com o reconhecimento e o respeito de todos os povos e culturas indígenas, ainda hoje, submetidos ao desprezo. Ela refere-se ao passado, mas a um passado que continua presente.
O espetáculo em Santo Ângelo é regido pelo maestro Martin Coplas, que iniciou os ensaios na última semana, com um coral de 200 vozes, no Centro Municipal de Cultura. Martin compôs a canção em 1979, na qual incluiu varias melodias aborígenes do Continente Sul-americano.
Durante a missa, os alunos do curso de Dança da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), sob a coordenação do professor Odailso Berté, participarão do espetáculo realizando intervenções cênicas.
Em junho deste ano, o grupo de acadêmicos apresentou a pré-estreia da coreografia, no auditório do Complexo Didático e Artístico da UFSM, que consistiu em uma remontagem e adaptação da obra original. O elenco, dirigido pelos professores Crystian Castro e Odailso Berté, vai executar a coreografia no roteiro da obra original, que acontece dentro da liturgia de uma missa, na qual a raça branca pede perdão aos povos indígenas pelos males cometidos.
Por meio da dança contemporânea, o grupo de acadêmicos da UFSM vai atuar nas partes intituladas “Memória Penitencial”, “Canto à Morena de Guadalupe”, “Compromisso Final” e “Réquiem dos Mártires”, trechos que compõem a Missa da Terra sem Males.

ROTEIRO DOS ÚLTIMOS DIAS DE CAMINHADA

25° Dia 11/09/19 – Laranja Azeda à Santuário do CAARÓ
Visita ao Sitio Arqueológico de São Lourenço Mártir. Visita ao Santuário do CAARÓ, envolto pela natureza, fonte de água milagrosa e a história do início dos primeiros povoados Jesuítico-Guarani.
26º Dia 12/09/19 – Santuário do CAARÓ a São Miguel das Missões
Visita guiada ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo – Patrimônio Mundial da Humanidade, Museu das Missões e o artesanato Guarani. Ao entardecer, Espetáculo de Som e Luz no Sítio Arqueológico
27º Dia 13/09/19 – São Miguel das Missões a Carajazinho
Oportunidade para conhecer a diversidade de produção de grãos: ervilha, milho pipoca, feijão, soja, trigo, etc.
28º Dia 14/09/19 – Carajazinho ao Parque das Fontes
Visita ao Sítio Arqueológico de São João Batista. Visita ao antigo povoado que foi a 1ª fundição de ferro do Sul do Brasil. Trilha ecológica e cultural para conhecer tipos de plantas e de árvores utilizadas por índios e padres jesuítas.
29º Dia 15/09/19 – Parque das Fontes à Santo Ângelo
Inicio da manhã livre, 11 horas da manhã caminhada pelo parque. Às 15horas trecho final de 15 km do caminho. Chegada a Santo Ângelo, o último povoado a ser fundado pelos Jesuítas. Programação Especial de final do “Camino de las Misiones”

IMG_6527 (Copy)

Neste artigo

Participe da conversa