A história da natalina

A “Natalina” é uma exclusividade do Município de Santo Ângelo. Na época de natal desfila pelas ruas com o Papai Noel ou seus ajudantes. Foi adquirida em 2013...

3473 0

A “Natalina” é uma exclusividade do Município de Santo Ângelo. Na época de natal desfila pelas ruas com o Papai Noel ou seus ajudantes. Foi adquirida em 2013 e a cada ano recebe manutenção e nova ornamentação. Por onde passa, encanta crianças e desperta curiosidade. Saiba mais detalhes desta história, quem é o motorista da Natalina e outras peculiaridades deste inusitado veículo

Papai Noel da Cidade, Motorista (Willian Dewes) na Natalina em frente a Catedral Angelopolitana
Papai Noel da Cidade, Motorista (Willian Dewes) na Natalina em frente a Catedral Angelopolitana

Natalina é o nome do veículo que conduz o “Papai Noel” pelas ruas de Santo Ângelo e também transporta seus ajudantes, tanto no desfile encantado, quanto na caravana que cruza o município. É uma peça única em atividade no Rio Grande do Sul, possui o chassi de uma Kombi (67), motor de Fusca e foi adquirida no ano de 2013 pela Prefeitura de Santo Ângelo, mesmo ano que foi realizada a primeira projeção mapeada na Catedral.

Uma exclusividade lapidada em oito anos de atividades de uso. Na época que antecede o natal é feita a manutenção mecânica, revisões elétricas e novas customizações são incluídas pelas equipes de servidores públicos. Uma das pessoas que mais conhece a Natalina em seus detalhes é Willian Dewes, o motorista deste veículo especial. Também pode ser considerado um guardião da Natalina, embora seja servidor público lotado na Secretaria de Meio Ambiente, durante as caravanas, trabalha voluntariamente e veste a roupa de cocheiro para viver a magia do natal dirigindo a Natalina.

“A Natalina é uma atração à parte, muitas crianças querem tirar foto ao lado dela e questionam a tradição do Papai Noel de andar de trenó. Explicamos que o papai Noel está mais moderno e também usa carro a motor” contou Willian que responde a curiosidade das crianças. “O Papai Noel fica com ciúmes, pois às vezes, a Natalina chama mais atenção do que ele”, brinca o cocheiro do bom velhinho.

O estilo do estofamento, o formato da fibra de vidro e as cores que revestem o chassi do veículo é todo pensado para a festa de natal. Mas nem tudo é um mar de rosas, trata-se de um veículo adaptado que apresenta desgastes e os ajudantes do Papai Noel já precisaram fazer jus ao nome, principalmente quando a mecânica geral do veículo falha e precisa empurrá-lo para que a brincadeira e a festa do Papai Noel não pare.

Foto - Marcos Demeneghi
Foto – Marcos Demeneghi

O artesão João Escobar também usa de sua criatividade para ornamentar a Natalina, fazer retoques na pintura a fim de manter o veículo com a aparência única que possui. Após o período de natal, são desconectados os acessórios elétricos é envolta em um plástico filme, somente no próximo ano deve encantar a todos com seu charme especial.

Willian Dewes reconhece que o projeto de natal articulado no ano de 2013 deixou um legado cultural para Santo Ângelo, que reflete até hoje nas ações realizadas nesta época, como as projeções mapeadas, por exemplo. Sobre a natalina, fala de um modo especial, também considera um passivo material que faz parte deste patrimônio e se sente parte do processo. Willian gostaria de ver a natalina restaurada e cada vez mais apta ao transporte do Papai Noel.

Reportagem e edição | Marcos Demeneghi

Natalina (3) (Copy) Natalina (2) (Copy) Natalina (1) (Copy)

Neste artigo

Participe da conversa