Retroescavadeira no rio, contrato assinado na mesa

As obras de esgotamento sanitário gerenciadas pela Corsan - Companhia Riograndense de Saneamento devem continuar em Santo Ângelo, pois a Prefeitura e a companhia renovaram, na última quinta-feira,...

626 0

Corsan no Itaquarinchim (1) (Copy)Está em andamento a obra de conexão de uma rede coletora de esgoto com o interceptor que segue pela bacia do Rio Itaquarinchim até a Estação de Tratamento Índia Lindóia. Esta rede coletora tem origem no Condomínio Residencial Romeu Goulart Loureiro I e II e Bairro Pillau.
Para efetivar a travessia da rede coletora de uma margem a outra do rio Itaquarinchim, está sendo necessário edificar duas estruturas de concreto, em lados opostos do rio e a execução desta ligação está sendo realizada nesta semana.
Na última quinta-feira, dia 20, uma retroescavadeira trabalhava nesta obra localizada na ponte do Rio Itaquarinchim da Av. Sagrada Família, próximo ao Supermercado Mattana.

Contrato com a Corsan até 2055
A Corsan e a Prefeitura renovaram contrato de água e esgoto por mais 20 anos. Com isso, a parceria passa a ter vigência até 2055. A assinatura ocorreu no gabinete da Presidência da Corsan, em Porto Alegre, com as presenças do diretor-presidente, Jorge Melo, e do prefeito, Jacques Barbosa.
Pelo novo contrato, a companhia se compromete com a universalização do serviço de esgotamento sanitário até o ano de 2035, e até 2022 estarão concluídas as obras na Bacia 4 e bairro Pilau, bem como nas bacias 1, 2 e 3. Segundo informações da assessoria de Comunicação da Corsan o Plano de Saneamento Básico do município prevê investimentos na ordem de R$ 130 milhões.
Antes da renovação do contrato a Prefeito de Santo Ângelo cobrou o cumprimento integral das cláusulas contratuais sobre os prazos para a implantação da rede de esgoto doméstico em Santo Ângelo e a qualidade na reposição da pavimentação das ruas em que a CORSAN.
Foi feita uma rodada de negociações que resultou em um acordo em que o município de Santo Ângelo receberá valores para compensar o descumprimento destas cláusulas. O aditivo do contrato destinará R$ 14 milhões para o Município. Ainda serão aplicados R$ 3,1 milhões para a recuperação de pavimentação de ruas e avenidas que sofreram intervenções pela CORSAN e o restante para o Fundo Municipal de Gestão Compartilhada, que deverá determinar investimentos na ampliação da rede de esgoto pluvial, aquisição de máquinas e equipamentos e investimentos em campanhas de conscientização ambiental.

 

Neste artigo

Participe da conversa