Colheita do milho atinge 87% da área cultivada no RS

De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar na última quinta-feira dia, 2, a produtividade média do Estado está 9,92% acima da inicialmente estimada, chegando a 7.482...

229 0

A colheita do milho atingiu, nesta semana, 87% da área cultivada no Rio Grande do Sul, sendo que 10% das áreas estão maduras e por colher e 3%, em enchimento de grãos.

Milho na Fenamilho 19 (Copy)
De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar na última quinta-feira dia, 2, a produtividade média do Estado está 9,92% acima da inicialmente estimada, chegando a 7.482 quilos por hectare. A produção poderá chegar a 5,6 milhões de toneladas de milho, superando em 24,53% a da safra passada.
Na Fronteira Oeste e Campanha, a produtividade das lavouras de milho destinadas à produção de grãos varia de 60 a 80 sacas por hectare. Nas lavouras para silagem, varia entre 15 e 25 toneladas por hectare.

 

Estimativa 2019 para a terra da fenamilho
No ano de 2019 os estabelecimentos agropecuários de Santo Ângelo reservaram uma área estimada em 3400 hectares para o milho em grão e 900 hectares para o milho silagem. A produtividade média estimada para a cidade da Fenamilho é superior à média estadual. Segundo levantamento do IBGE, a previsão é que a colheita feche em uma média girando em torno de 9000 quilos por hectare.

Soja acima da estimativa
Já na soja, maior commodity produzida no RS, a colheita atinge 95% da área implantada no Estado, com produtividade média de até 3.218 quilos por hectare, propiciando uma produção de cerca de 18,7 milhões de toneladas.
Na Fronteira Noroeste e Missões, a produtividade média supera a expectativa inicial e atinge 3,3 toneladas por hectare.
A colheita está concluída na maioria das propriedades, restando a soja safrinha, onde a alta incidência de ferrugem asiática tem comprometido a produtividade de lavouras, com perda total, sendo inclusive abandonadas pelos agricultores. Isso reacende a discussão sobre a conveniência do plantio fora de época e a necessidade da adoção do vazio sanitário.

Neste artigo

Participe da conversa