“A colheita de amanhã será…”

Se a colheita do futuro dependesse da jovem Maíra Alfaro “uma agrofloresta alimentaria o mundo”. Mas enquanto ela não concretiza o sonho de formatar uma agrofloresta, planta, colhe...

208 0

Se a colheita do futuro dependesse da jovem Maíra Alfaro “uma agrofloresta alimentaria o mundo”. Mas enquanto ela não concretiza o sonho de formatar uma agrofloresta, planta, colhe e organiza um colorido kit de vegetais, organicamente cultivados na propriedade da Família Alfaro em Restinga Seca, interior de Santo Ângelo, este kit é entregue na porta da casa dos seus clientes, em geral, pessoas interessadas em alimentos mais saudáveis e cultivados sem produtos químicos.


Horta Orgânica da Maíra Alfaro (11) (Copy)

Maíra Alfaro – Produtora de hortaliças orgânicas


Maíra Alfaro tem 28 anos, nasceu na zona urbana, é formada em direito e exerce a função de assessora jurídica no Ministério do Trabalho. Mas sua realização pessoal também é fruto do trabalho paralelo que realiza. Ela é uma produtora rural, embora a horta orgânica não seja a única fonte de renda, ela afirma que o negócio com as hortaliças já é autossustentável.

Seus clientes estão conectados por um grupo de Whatsapp. Ela envia uma mensagem com a informação: A colheita de amanhã será de… O cliente escolhe os alimentos da semana e depois disso, a jovem Maíra seleciona os produtos na horta e forma um kit personalizado, que é entregue, por ela, na porta da casa do cliente.
Maíra Alfaro e outros quatro produtores do município conquistaram a certificação de produção orgânica em dezembro e o perfil desta produtora de alimentos ainda é uma exceção.

Segundo o Censo Agropecuário de 2017, 97% dos empreendedores rurais do município têm mais de 30 anos, deste universo, 54% estão na faixa de 30 a 60 e 43% tem mais de 60 anos de idade.
Mas não é só a idade e a vida urbana que faz de Maíra uma exceção. No ano de 2006, 68% dos estabelecimentos rurais de Santo Ângelo usavam agrotóxico na produção, em 2017 este percentual saltou para 80%.

Produzir sem nenhum produto químico exige, segundo Maíra, mais paciência, observação, respeito aos ciclos naturais das plantas, evitar a plantação de uma única espécie no mesmo canteiro, mais planejamento para manter a escala e atender a demanda.

“Meus canteiros parecem uma bagunça, mas é uma bagunça planejada, tudo tem uma função biológica para respeitar o ciclo da natureza”, afirmou a produtora.

O trabalho de Maíra contrasta ainda mais com o modelo de negócio dos produtores locais. Quase a totalidade dos empreendedores desta área percebem na monocultura da soja, a saída para seus empreendimentos.
No ano de 2017, a produção agropecuária em Santo Ângelo estava concentrada em uma área de 44.406 ha. A soja está presente em 40 mil hectares. A diversificação de cultura, ainda não é uma realidade.

Maíra é precursora de uma nova cultura, percebe que é possível investir em larga escala em outros modelos de empreendimento rural, como o agroflorestal, um sistema milenar que foi abandonado. Por enquanto, esta jovem empreendedora esta focada em estender a produção que faz para um seleto grupo de amigos e conhecidos, mas se pudesse, “alimentaria o mundo com uma agrofloreta”.

Horta Orgânica da Maíra Alfaro (8) (Copy) Horta Orgânica da Maíra Alfaro (7) (Copy) Horta Orgânica da Maíra Alfaro (4) (Copy) Horta Orgânica da Maíra Alfaro (5) (Copy) Horta Orgânica da Maíra Alfaro (2) (Copy)

Neste artigo

Participe da conversa